Bruno Lage: "João Félix ama a bola e sabe como domesticá-la sem ter medo"

O treinador do Benfica falou à revista francesa France Football fala sobre o avançado do Atlético de Madrid que começou a brilhar pela sua mão no Benfica. "Ele nunca tem medo. Até Até parece que vive noutra dimensão", disse.

A revista France Football publica na sua edição desta sexta-feira um trabalho sobre João Félix, cuja chamada de primeira página com o título "O trunfo de um grande" e no qual Bruno Lage explica este fenómeno que representa o agora avançado do Atlético de Madrid, que começou a brilhar ao mais alto nível pela sua mão na equipa principal do Benfica, na época passada.

"É o tipo de jogador que pode evoluir e adaptar-se a qualquer posição. Tem um relacionamento especial com a bola, digo mesmo algum tipo de conexão inata. Ama a bola e sabe como domesticá-la sem ter medo. É de alguma forma imprudente. Quando o vejo, tenho a impressão de ver uma criança com seus amigos no seu jardim. Ele manteve um lado natural e insolente. É pura felicidade", explica.

O treinador do Benfica assume que quando regressou ao Benfica, no verão de 2018, não conhecia João Félix, mas ao vê-lo jogar sentiu algo de "especial". "Imediatamente tive um sentimento especial. Adaptei o sistema de jogo da equipe de 4-3-3 para 4-4-2 para que ele pudesse jogar e rapidamente se tornou indispensável. Mas quando comecei a trabalhar com ele, notei especialmente uma coisa: ele não se importava com o que os outros pensavam. É muito frio, mesmo tendo 60 mil pessoas na bancada", acrescentou.

Bruno Lage assume que não gosta de fazer comparações entre jogadores, mas está convencido de que "ele vai tornar-se num dos maiores jogadores da história do futebol português". "Temos, ou tínhamos Cristiano Ronaldo, Figo, Rui Costa, João Pinto, Eusébio ... Ele tem a capacidade de integrar esse círculo fechado", assume.

Questionado sobre qual é a posição no campo em que rende mais, o técnico dos encarnados prefere destacar "o dinamismo que dá à equipa". "Ele pode jogar no centro do ataque, à frente do meio-campo, ocupando o espaço atrás dos defesas-centrais... Tem uma potencia no ataque incrível. É melhor no eixo, mas sua maior qualidade é o movimento", resume.

Apesar de todas as qualidades, Bruno Lage assume que João Félix "ainda precisa provar muito". "Percebo que digam que ele tem de continuar a trabalhar para melhorar. E ele deve ter ainda mais essa vontadeesse desejo ainda mais, mas não estou preocupado isso porque o João teve sempre teve a atitude certa. Além do grande potencial, tem muita ambição", acrescentou, deixando uma certeza: "O João Félix nunca tem medo. Nada o assusta e ninguém o segura. Até parece que vive noutra dimensão."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG