Braga denuncia "falência e da permeabilidade" da arbitragem portuguesa

O Sp. Braga considerou a divulgação das nomeações de árbitros pelo agente de futebolistas César Boaventura representa "mais uma fuga verdadeiramente inaceitável" e é revelador "da falência e da permeabilidade do setor" da arbitragem portuguesa.

"[...] Há, de facto, algo muito preocupante em torno da arbitragem em Portugal, como ainda agora verificamos, ao constatar um post de César Boaventura publicado na quinta-feira e que revela uma conversa de WhatsApp em que pessoas externas ao futebol divulgam as nomeações para os jogos em que participariam Sporting, Sporting de Braga e FC Porto nos dias seguintes. Tudo bateu certo", observou o clube minhoto, este sábado em comunicado.

Por isso o Sp. Braga pede que os responsáveis pelo futebol português respondam "com celeridade" a várias questões, nomeadamente: "Como é que agentes externos têm acesso a informação classificada? Quem é que está a passar tais informações? A quem servem essas informações? De que forma é que tal acesso condiciona e influencia as arbitragens?".

"Sendo as nomeações feitas em total secretismo, apenas do conhecimento de quem nomeia (o Conselho de Arbitragem) e dos próprios nomeados (o árbitro do Feirense-Braga, por exemplo, desconhece a nomeação para o FC Porto-Santa Clara), torna-se absolutamente revelador da falência e da permeabilidade do setor esta nova confirmação de que indivíduos estranhos ao futebol e às suas estruturas possam ter acesso a informações classificadas", denuncia o Sporting de Braga.

O clube 'arsenalista', quarto classificado da I Liga, reagiu à publicação feita na quinta-feira por César Boaventura, na qual dava a conhecer os árbitros dos jogos Nacional-Sporting (Carlos Xistra), FC Porto-Santa Clara (Manuel Oliveira) e do Feirense-Sporting de Braga (Fábio Veríssimo), ainda antes de terem sido tornadas públicas.

"O Braga reclama a legitimidade de questionar a relação de causa-efeito entre a provada [intromissão] de indivíduos ou grupos de adeptos relacionados com os três clubes com os quais o Braga tem discutido os títulos nacionais e as gritantes desigualdades de critérios que se verificam nos relvados de Portugal", assinala o comunicado.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.