Bola de Ouro é entregue hoje e os caminhos vão dar a Messi

Avançado argentino surge como favorito à frente de Cristiano Ronaldo e Van Dijk. E depois do The Best da FIFA pode somar a sua sexta Bola de Ouro. João Félix entre os favoritos ao prémio Kopa, para o melhor jogador sub-20.

São 30 finalistas, três deles jogadores portugueses, mas só um trio surge à partida com possibilidades de vencer o prémio de melhor do mundo: Cristiano Ronaldo (Juventus), Virgil van Dijk (Liverpool) e Lionel Messi (Barcelona). O avançado argentino do Barcelona é visto como o principal favorito.

A Bola de Ouro de 2019, troféu da revista France Football, vai ser entregue nesta segunda-feira, no decorrer de uma gala no Théâtre du Châtelet, em Paris, a partir das 19.30. O vencedor vai suceder ao croata Luka Modric, que desta vez nem nomeado está. Messi é o grande favorito e pode juntar a Bola de Ouro ao prémio The Best, da FIFA, conquistado em setembro. Caso este cenário se concretize, o argentino desempata a intensa disputa travada com Ronaldo na última década - neste momento têm ambos cinco Bolas de Ouro.

Além de Cristiano Ronaldo, na lista de finalistas constam também Bernardo Silva (Manchester City) e João Félix (At. Madrid). Esta é a segunda vez que Portugal está representado por três jogadores, depois de na edição de 2016 Ronaldo, Pepe e Rui Patrício terem estado entre os finalistas.

João Félix, que no verão protagonizou a transferência mais cara desta temporada, ao trocar o Benfica pelo At. Madrid numa operação de 126 milhões de euros, está ainda nomeado para o prémio Kopa.

Se em relação à Bola de Ouro as hipóteses de vencer são nulas, neste caso do troféu para o melhor jogador sub-20 do ano o ex-benfiquista tem sérias hipóteses, apesar de a concorrência ser de luxo: entre os dez nomeados estão Jadon Sancho (Dortmund), Moise Kean (Everton), Vinicius (Real Madrid) e De Ligt (Juventus). E um bom prenúncio foi o facto de na quarta-feira ter vencido o prémio Golden Boy, troféu entregue pelo jornal italiano Tuttosport ao melhor jogador sub-21 a atuar na Europa.

A escolha do Bola de Ouro de 2019, salvo qualquer grande surpresa, resume-se a Cristiano Ronaldo, Van Dijk e Lionel Messi. Há umas semanas, em tom irónico, Iker Casillas questionou através das redes sociais os critérios para eleição do melhor jogador do mundo.

O guarda-redes espanhol do FC Porto lembrou que Van Dijk foi eleito o melhor jogador para a UEFA, que Messi foi distinguido como o melhor futebolista para a FIFA (troféu The Best) e por isso questionou: "Se Cristiano (tem méritos para isso) ganhar a Bola de Ouro, parecer-me-ia que os critérios que seguimos no futebol para dar prémios não têm muita lógica, pois não?"

Na última terça-feira, o jornal espanhol Mundo Deportivo avançou com a possibilidade de Lionel Messi ser o vencedor da Bola de Ouro, cuja eleição é feita por 180 jornalistas de vários países (em Portugal o representante é Joaquim Rita). O diário desportivo da Catalunha baseava a sua tese no facto de alegadamente uma equipa de reportagem da revista francesa se ter deslocado a casa do craque do Barcelona para o entrevistar e fotografar antecipadamente para ser capa da revista que vai para as bancas dentro de poucos dias.

Já neste domingo, o jornal inglês Mirror avançou também que Lionel Messi será coroado nesta noite como vencedor, antecipando que Cristiano Ronaldo fica até fora do pódio, atrás de Virgil Van Dijk e Mohamed Salah, ambos jogadores do Liverpool. A informação é dada com base numa alegada fuga de informação de uma lista em que Messi surge com 446 votos, seguido do central holandês com 382 e do egípcio Salah com 179.

Historicamente, os troféus conquistados têm um peso enorme na escolha do vencedor, sobretudo a Liga dos Campeões ou, no caso de seleções, Europeus e Mundiais (o que não é o caso deste ano). Vamos então perceber os argumentos de cada um dos três favoritos à vitória, tendo em conta que as votações fecharam no dia 9 de novembro.

Lionel Messi (Barcelona)

Messi, 32 anos, tem como cartão-de-visita a Liga espanhola e a Supertaça ganhas pelo Barcelona. De resto foi o melhor marcador da Liga espanhola da época passada com 36 golos e da Champions com 12. Se tivesse ganho a Copa América, o seu favoritismo não seria posto em causa, mas a Argentina caiu nas meias-finais da prova. O internacional argentino tem ainda a seu favor um ano repleto de boas exibições ao serviço dos catalães. E neste ano, em setembro, venceu o prémio The Best, da FIFA, superando a concorrência de Ronaldo e de Van Dijk. Caso seja ele o eleito, será a sexta Bola de Ouro da carreira (2009, 2010, 2011, 2012 e 2015).

Virgil van Dijk (Liverpool)

Os maiores argumentos do defesa central do Liverpool, 28 anos, é a grande temporada realizada ao serviço do Liverpool, onde foi o patrão da defesa, e sobretudo a conquista da última Champions, diante do Tottenham, jogo em que foi considerado o melhor jogador da final. A confirmar-se o seu triunfo, será apenas o segundo defesa central a conseguir ser coroado como melhor do mundo, algo que até hoje só Fabio Cannavaro conseguiu, vencendo a Bola de Ouro em 2006, à frente de Zidane e de Ronaldinho. Van Dijk já foi coroado neste ano como melhor jogador para a UEFA, numa votação em que bateu precisamente Ronaldo e Messi.

Cristiano Ronaldo (Juventus)

O avançado português, 34 anos, tem como maiores trunfos a conquista da liga italiana no seu ano de estreia naquele campeonato, à qual juntou a Supertaça de Itália. Outro grande ponto a favor de CR7 foi a conquista de um troféu pela seleção nacional, no caso a Liga das Nações, curiosamente com um triunfo na final diante da Holanda de Van Dijk (apesar de só ter participado nos dois jogos finais). Em relação a golos, terminou o último campeonato italiano com 21 (foi o segundo melhor marcador) e foi o segundo melhor da fase de qualificação para o Euro 2020, com 11, a par do israelita Eran Zahavi. Se vencer, será a sexta Bola de Ouro do avançado português (2008, 2013, 2014, 2016 e 2017).

Além da Bola de Ouro e do troféu Kopa, a gala desta segunda-feira vai ainda premiar a melhor jogadora de futebol feminino (a norte-americana Megan Rapinoe é apontada à vitória) e o melhor guarda-redes masculino (Troféu Yashin), em que Allison Becker, do Liverpool, surge como o grande favorito. Veja aqui a lista de nomeados.

Nomeados para o Troféu Yashin (melhor guarda-redes):

Alisson Becker (Brasil/Liverpool)
Manuel Neuer(Alemanha/B. Munique)
Ederson (Brasil/Manchester City)
Andre Onana (Camarões/Ajax)
Wojciech Szczesny (Polónia/Juventus)
Jan Oblak (Eslovénia/At. Madrid)
Kepa Arrizabalaga (Espanha/Chelsea)
Samir Handanovic (Eslovénia/inter Milão)
Hugo Lloris (França/Tottenham)
Marc-André ter Stegen (Alemanha/Barcelona)

Nomeadas para melhor jogadora:

Amandine Henry (França/O. Lyon)
Sarah Bouhaddi (França/O. Lyon)
Lucy Bronze (Inglaterra/O. Lyon)
Dzsenifer Marozsan (Alemanha/O. Lyon)
Alex Morgan (EUA/Orlando Pride)
Viviane Miedema (Holanda/Arsenal)
Sam Kerr (Austrália/Chicago Red Stars)
Ellen White (Inglaterra/Man. City)
Nilla Fischer (Suécia/Linköpings)
Pernille Harder (Dinamarca/Wolfsburgo)
Ada Hegerberg (Noruega/O. Lyon)
Wendie Renard (França/O. Lyon)
Megan Rapinoe (EUA/Reigne FC)
Rose Lavelle (EUA/Washington Spirit)
Tobin Heath (EUA/Portland Thorns)
Lieke Martens (Holanda/Barcelona)
Sari van Veenendaal (Holanda/At. Madrid)
Marta (Brasil/Orlando Pride)
Kosovare Asllani (Suécia/CD Tacon)
Sofia Jakobsson (Suécia/CD Tacon)

O troféu Bola de Ouro é um prémio criado pela revista francesa France Football. Entre 1956 e 2009 as distinções anuais foram feitas individualmente, mas a partir de 2010, e até 2015, a publicação aliou-se à FIFA, sendo o prémio para o melhor jogador do mundo entregue pelas duas entidades. A parceria terminou entretanto e desde 2016 que existem dois troféus: a Bola de Ouro, da France Football, e o The Best, da FIFA.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...