Benfica explica mau estado do relvado e garante que problema será resolvido

Jogo com o Anderlecht mostrou um tapete remendado e em más condições devido à falta de rega durante dois dias. Encarnados já estão a colocar relva nova.

O Benfica, através do site oficial do clube numa nova rubrica intitulada 'Fórum do Sócio', explicou as razões para o mau estado do relvado do Estádio da Luz, como se pôde ver no jogo com o Anderlecht, justificando que o problema esteve na suspensão do sistema de regra sem que ninguém se tivesse apercebido. Na mesma nota, os responsáveis benfiquistas garantem que já está em marcha um novo plano, como colocação de nova relva, para que daqui a um mês, no início do campeonato, o relvado esteja em perfeitas condições.

Aqui fica a justificação do Benfica.

"Durante dois dias, em função de um alerta, parte do sistema de rega foi suspenso sem que ninguém da equipa técnica de acompanhamento se tivesse apercebido. A consequência foi que durante a noite não funcionou o sistema de rega alternativo e de reforço que estava programado, ficando o relvado, durante esses dois dias naquelas áreas, sem a água necessária para o cumprimento do programa de consolidação da nova relva.

Essa circunstância provocou a interrupção do crescimento programado em algumas zonas do campo.

Para resolver o problema de imediato, a única solução foi colocar novos tapetes de relva nas áreas críticas, de forma a garantir a realização, com o mínimo de condições, do jogo realizado esta última quarta-feira.

A partir de hoje foi implementado todo um novo projeto de colocação de nova relva da mesma qualidade da existente de forma a garantir que, daqui a um mês, o nosso Estádio volte a apresentar um relvado com os níveis de qualidade e exigência que nos caracteriza."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.