Benfica vence e segue em frente

Golos de Pizzi (dois) e Vinícius (dois) no triunfo encarnado sobre o Cova da Piedade, esta sexta-feira (4-0), colocam águias na quarta ronda da Taça de Portugal.

As gentes da Cova da Piedade, uma freguesia do concelho de Almada, queriam fazer a festa da taça na receção ao Benfica e foram cedo para o estádio. A três horas do jogo já o Municipal José Martins Vieira vestia as cores do clube do Campeonato de Portugal ao som de Led Zeppelin, Ramones e Nirvana. Sonhavam com festa idêntica ao do Alverca, equipa do terceiro escalão que na quinta-feira eliminou o Sporting, mas não tiveram a mesma sorte. Não deslumbrando, o Benfica fez o suficiente para vencer com tranquilidade (4-0). Um golo a fechar a primeira parte e outro a abrir a segunda, ambos de Pizzi, mataram as aspirações a tomba gigantes da equipa da II Liga. Para a história fica o quarto triunfo encarnado em outros tantos jogos frente ao Cova da Piedade.

O jogo começou com um minuto de silêncio por Rui Jordão, que morreu esta sexta-feira aos 67 anos. O Benfica estava avisado para os perigos da organização do Cova da Piedade e não facilitou, apesar de um início de jogo algo incaracterístico, muito por força das alterações. Bruno Lage mudou meia equipa em relação ao último encontro do Benfica (2 de outubro frente ao Zenit) e apostou em Zlobin, Ferro, Samaris, Caio Lucas, Carlos Vinícius e RDT. Já Jorge Casquilha apostou numa nova tática (com cinco defesas) e faz uma revolução no onze titular e manteve apenas Tony Baptista, Chico Chen e Vitinho.

Depois de uma fase de estudo mútuo em que mostraram algumas dificuldades para entrar no último terço do terreno, os encarnados tiveram a primeira grande oportunidade de golo aos 14 minutos, quando Pizzi, isolado por Vinícius, atirou para defesa de Tony Batista. O brasileiro que fez companhia a RDT no ataque apareceu muitas vezes na área a receber a bola e aos 22 minutos teve o golo nos pés, mas a bola saiu à malha lateral.

A equipa de Casquilha condicionava o corredor central do Benfica e obrigava os encarnados a longas trocas de bola e a recorrer aos extremos para levar a bola até à área com cruzamentos longos e imprecisos a que RDT não chegava com qualidade. Exceção feita a um lance aos 32 minutos quando a bola lhe chegou em boas condições, mas o cabeceamento saiu frouxo e às mãos de Tony Batista.

Sem forçar muito o ritmo, o Benfica ia conseguindo controlar o jogo, chegando ao golo em cima do intervalo. Pizzi combinou bem com Carlos Vinícius, na área adversária, conseguindo marcar apesar da intervenção de Tony Batista. Um lance algo confuso que terminou com RDT lesionado e com a cabeça ligada.

Outra vez Pizzi a sossegar

O segundo tempo começou como acabou o primeiro: com um golo de Pizzi. Jogada de insistência dos encarnados, com RDT a rematar para defesa incompleta de Tony Batista e na recarga, Pizzi consegue marcar de pé esquerdo. El Comandante teve logo depois o hat trick nos pés, mas Tony Batista não o permitiu.

Apesar de continuar bem organizado, o Cova da Pieddade ficous sem as arrancadas velozes de Femi Balogun, que saiu ao intervalo e deu lugar a Gustavo Moura, e passou mais tempo atrás da bola. E nem a entrada do experiente Edinho (37 anos) para o lugar de Yuhao Liu deu mais discernimento ofensivo ao 16.º calssificado da II Liga.

A ganhar por 3-0, Bruno Lage começou a pensar no jogo com o Lyon da Liga dos Campeões, (quarta-feira) deu minutos a Florentino Luís (troca com Samaris), que regressou à competição, e poupou Pizzi (deu lugar a Cervi). Com o passar os minutos o Cova da Piedade começou a sentir dificuldades físicas para acompanhar a velocidade adversária, o Benfica chegou mais vezes à baliza. Primeiro por RDT, depois por Grimaldo e ainda Gedson. Isto antes de Vinícius fazer o 4-0 final, já depois dos 90 minutos, e bisar no jogo. O brasileiro foi dos melhores em campo e terminou o jogo com dois golos.

O Benfica persegue assim o objetivo de voltar ao Jamor, algo que já não faz desde 2016-17, quando a 28 de maio de 2017, no Estádio Nacional, levou a melhor sobre o Vitória de Guimarães (2-1), conquistando a 26ª Taça de Portugal da sua história e fazendo a "dobradinha" após conquista do campeonato nacional.

FICHA DE JOGO

Jogo realizado no Estádio Municipal José Martins Vieira, Cova da Piedade, em Almada.

Cova da Piedade - Benfica, 0-4.

Marcadores: 0-1, Pizzi, 45+2 minutos; 0-2, Pizzi, 49'; 0-3, Vinícius, 63'; 0-4, Vinícius, 90'+2'.

Equipas:

Cova da Piedade: Tony, Oto's Zue, Massaia (Diarra, 56), Allef, Marcão, Chico Chen, Marakis, Vitinho, André Carvalhas, Femi Balogun (Gustavo Souza, 46) e Liu Yuhao (Edinho, 61).

Treinador: Jorge Casquilha.

Benfica: Zlobin, Tomás Tavares, Jardel, Ferro, Grimaldo, Pizzi (Cervi, 74), Samaris (Florentino, 70), Gabriel, Caio (Gedson, 64), Raul de Tomas e Vinícius.


Treinador: Bruno Lage.

Árbitro: António Nobre (AF Leiria).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Gabriel (87).

Assistência: Cerca de 2.500 espetadores.

Exclusivos