Belenenses SAD vence Chaves e aproxima-se dos lugares europeus

Um golo de Licá foi o suficiente para garantir à equipa de Jorge Silas o segundo triunfo seguido. Os flavienses afundam-se ainda mais no último lugar

O Belenenses SAD venceu este sábado, no Estádio Nacional, o Desp. Chaves, por 1-0, em partida da 12.ª jornada da I Liga. Valeu à equipa treinada por Jorge Silas um golo de Licá aos 40 minutos para se aproximar dos lugares que dão acesso às competições europeias.

Os azuis igualaram o V. Guimarães e o Rio Ave no quinto lugar, com 18 pontos, tendo somado a segunda vitória consecutiva e o sexto jogo sem perder no campeonato.

De mal a pior vai o Desp. Chaves que se afundou ainda mais no último lugar, mantendo os sete pontos conquistados. A equipa de Daniel Ramos já vai em seis derrotas consecutivas, sendo que o último ponto que conquistou foi na receção ao Benfica na 6.ª jornada, no final de setembro.

Veja aqui o resumo da partida:

FICHA DO JOGO

Estádio Nacional
Árbitro: Luís Godinho (Évora)

Belenenses SAD - Muriel Becker; Diogo Viana, Gonçalo Silva, Sasso, Reinildo (Zakarya Bergdych, 90'+1); Nuno Coelho, André Santos, Jonathan Lucca; Licá (Eduardo Henrique, 68'), Henrique Almeida (Ousmane Dramé, 71'), Fredy
Treinador: Jorge Silas

Desp. Chaves: Ricardo Nunes; Paulinho, Hugo Basto, Marcão, Luís Martins; Stephen Eustáquio (Higor Platiny, 74'), Jefferson Santos, Renan Bressan; Ghazaryan (Mika Borges, 85'), Avto (William Oliveira, 61'), André Luís.
Treinador: Daniel Ramos

Cartão amarelo a Jefferson Santos (54'), Henrique Almeida (85')

Golo: 1-0, Licá (40')

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.