Leão vai em desastres sucessivos e desta vez caiu aos pés do líder Famalicão

Os famalicenses continuam a surpreender. Mantêm-se na liderança da I Liga depois de vencerem o Sporting, por 2-1, em pleno Estádio José Alvalade, palco onde há 25 anos tinham carimbado a descida de divisão. A equipa de Leonel Pontes até esteve a ganhar, mas a surpreendente substituição de Vietto e os sucessivos erros defensivos deitaram tudo a perder.

Saiu Marcel Keizer, entrou Leonel Pontes, mas o Sporting vai em desastres sucessivos. O último foi esta segunda-feira, em Alvalade, onde o Famalicão prosseguiu a sua caminhada de sonho neste arranque de época, que o coloca na liderança da I Liga.

A vitória dos minhotos por 2-1 assenta muito bem à jovem e talentosa equipa de João Pedro Sousa, que continua sem perder no campeonato, e penaliza uma equipa leonina completamente à deriva... um facto que ainda é mais acentuado quando não tem Bruno Fernandes, que nesta partida cumpriu castigo.

É certo que o Sporting revelava problemas na sua organização defensiva com Keizer, mas os problemas não foram resolvidos com Leonel Pontes, que tem a atenuante de ter tido pouco tempo para trabalhar, afinal os jogos sucedem-se a cada três dias.

O treinador leonino repetiu o losango no meio-campo, que já havia utilizado em Eindhoven para a Liga Europa, mas colocou desta vez Rodrigo Battaglia (não jogava há mais de dez meses devido a uma lesão grave) no vértice mais recuado, Miguel Luís e Idrissa Doumbia no meio, enquanto Wendel surgiu atrás dos dois avançados Vietto e Bolasie.

E logo à partida a ideia que ficou é que os leões partiam para o jogo sem uma unidade criativa no meio-campo, algo que ao longo do tempo foi comprovado na prática. Ainda assim, os primeiros sinais do Sporting foram positivos, uma vez que os seus médios e avançados procuravam pressionar a saída de bola dos famalicenses, utilizando Wendel para tapar a linha de passe de Gustavo Assunção, o médio mais recuado do adversário.

A equipa de João Pedro Sousa sentiu muitas dificuldades em construir o jogo desde trás e, por isso mesmo, optou várias vezes pelas bolas bombeadas para a frente que originava quase sempre a perda da posse de bola. Este facto provocou algum nervosismo nos jogadores do Famalicão, aproveitando o Sporting para rondar a baliza de Rafael Defendi.

Grande golo de Vietto abriu o caminho

Miguel Luís começou por falhar uma boa ocasião para adiantar os leões, mas de forma surpreendente, praticamente na primeira vez que o Famalicão foi lá à frente deu sinal de vida e quase marcou, com Renan Ribeiro a sacudir um remate de Fábio Martins e Toni Martínez a não conseguir marcar. Era um aviso que o líder da I Liga estava ali para discutir o resultado.

Sem espaço para entrar pela zona central, o Sporting ia tentando pelas alas, mas nem sempre era bem-sucedido. Acabou por um erro inacreditável de Lionn a possibilitar a Vietto marcar um grande golo que adiantava os leões no marcador aos 25 minutos.

Faltava agora saber de que fibra era feito este Famalicão e se o Sporting conseguiria pela primeira vez esta época não sofrer golos, desta forma, dar um pontapé na crise. Só que os instantes finais da primeira parte deram um sinal do que estaria para vir, sobretudo quando Rúben Lameiras roubou a bola a Acuña junto à bandeirola de canto e obrigou Renan a mais uma excelente defesa.

Há 25 anos o Famalicão tinha visto carimbada a descida de divisão, precisamente com uma derrota em Alvalade por 3-0. Agora estava na iminência de ver o leão roubar-lhe o primeiro lugar do campeonato. Só que a segunda parte mostrou uma equipa minhota ainda mais atrevida e consistente, pois resolveu o problema no início da construção de jogo, passando a fazê-lo mais pelos corredores laterais, e o seu futebol começou a fluir melhor.

Uma autoestrada e a inexplicável saída de Vietto

Curiosamente foi num ataque do Sporting conduzido por Wendel que surgiu o empate. O médio leonino perdeu a bola de forma infantil e Fábio Martins lançou o lateral-esquerdo Centelles que foi por ali fora, ultrapassando facilmente Battaglia e Coates, oferecendo a bola a Rúben Lameiras que, com todo o tempo do mundo, desviou de Mathieu e rematou para o empate. Um belo golo, é verdade, mas facilitado pela autêntica autoestrada aberta pelos passivos jogadores leoninos.

Os assobios voltavam em força a Alvalade e mais se fizeram sentir quando, de forma inexplicável, Leonel Pontes decidiu tirar Vietto, que estava a ser o jogador mais perigoso da equipa, para lançar Jovane Cabral. O próprio avançado argentino ficou incrédulo com a opção do treinador, abrindo várias vezes os braços, como que a perguntar porquê ele.

O certo é que a partir desse momento o Sporting desapareceu do jogo. O meio-campo não pressionava e o setor defensivo ficava ainda mais desprotegido. Como consequência foram-se sucedendo as oportunidades para o Famalicão voltar a marcar. Toni Martínez e Lionn tiveram duas grandes ocasiões cada um, até que aos 89 minutos Diogo Gonçalves arrancou pela direita, cruzou para Anderson Oliveira, mas apareceu Coates a desviar para a própria baliza.

Rebentava a festa entre os famalicenses, que pela primeira vez na sua história ganhavam em Alvalade. No relvado, Coates levava as mãos à cabeça, afinal o uruguaio está numa fase negra da sua carreira, pois nos três últimos jogos que realizou foi responsável por três penáltis com o Rio Ave, marcou um autogolo com o PSV Eindoven, repetindo a dose esta segunda-feira diante do Famalicão.

Os assobios com que foi brindada a equipa do Sporting no final da partida por parte dos seus adeptos indicam que a vida de Leonel Pontes à frente da equipa não está fácil, pois em três jogos soma um empate e duas derrotas, está a oito pontos do líder da I Liga e a sete dos rivais.

A questão que se coloca ao presidente Frederico Varandas é se irá voltar agora a mudar de treinador, ainda para mais numa altura em que o Sporting tem três jogos em pouco mais de uma semana.

A FIGURA - Rúben Lameiras

Este extremo de 24 anos está a ser uma das grandes surpresas deste início de época. Foi formado nas escolas do Tottenham, mas como profissional jogou em escalões secundários de Inglaterra e até teve uma curta passagem pela Suécia. Tem muita qualidade técnica e velocidade, caracterísiticas que lhe permitiram dar valentes dores de cabeça à defesa do Sporting, tantos foram os desiquilíbrios que criou. Acabou por marcar o primeiro golo da equipa, que bem mereceu pelo muito que trabalhou para a equipa. Uma palavra também para Fábio Martins, que se exibiu também a grande nível.

VEJA OS MELHORES MOMENTOS DA PARTIDA:

FICHA DO JOGO:

Estádio José Alvalade, em Lisboa
Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa)

Sporting - Renan Ribeiro; Rosier, Coates, Mathieu, Marcos Acuña; Wendel, Doumbia, Battaglia (Jesé Rodríguez, 76'), Miguel Luís; Bolasie, Vietto (Jovan Cabral, 63').
Treinador: Leonel Pontes

Famalicão - Rafael Defendi; Lionn, Nehuén Pérez, Patrick William, Alex Centelles; Pedro Gonçalves (Uros Racic, 87'), Guga, Gustavo Assunção; Rúben Lameiras (Diogo Gonçalves, 79'), Toni Martínez (Anderson Oliveira, 67'), Fábio Martins.
Treinador: João Pedro Sousa

Cartão amarelo a Miguel Luís (28'), Nehuén Pérez (37'), Mathieu (56') e Idrissa Doumbia (62')

Golo: 1-0, Luciano Vietto (25'); 1-1, Rúben Lameiras (55')

Exclusivos