Barcelona e Liverpool seguem para os 'oitavos' da Champions. Bayern fica pelo caminho

Ingleses, finalistas vencidos da última edição, venceram por 3-1 em Munique, enquanto o Barcelona goleou, em casa, o Lyon por 5-1

Liverpool e Barcelona asseguraram esta quarta-feira as duas últimas vagas dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, onde está o FC Porto. Os ingleses ganharam no terreno do Bayern Munique, por 3-1, com os catalães a golearem o Lyon, em Camp Nou, por 5-1. Curiosamente, a primeira mão de ambas as eliminatórias terminou 0-0.

Na Alemanha, o Liverpool, finalista vencido da última edição da Liga dos Campeões, tinha uma tarefa complicada pela frente, contra o sempre poderoso e experiente Bayern Munique. E foram mesmos os ingleses que se adiantaram no marcador, aos 26', por Mané, que aproveitou uma saída um pouco precipitada de Manuel Neuer da baliza dos bávaros para ir disputar o lance.

A precisar de dois golos para ficar na frente da eliminatória, o Bayern foi atrás do resultado e chegou ao empate 13' minutos depois. Gnabry em iniciativa pela direita cruzou com muita qualidade para a área inglesa e o defesa Matip, que tinha Lewandowski nas costas pronto a finalizar, acabou por fazer autogolo.

Os minutos iam passando e o empate servia de feição ao Liverpool, que mesmo assim tratou de acabar com todas as pretensões da equipa alemã. Quando faltavam vinte minutos de jogo, Virgil van Dijk fez o 2-1 para os ingleses, o que obrigava os bávaros a marcar dois golos para virarem o sentido da eliminatória. Mas aos 84', Mané bisou no encontro e acabou de vez com as esperanças alemãs.

No outro jogo da noite, em Barcelona, o Lyon de Anthony Lopes tentou suster o ímpeto inicial dos catalães, e o português destacou-se ao negar dois golos a Messi. No entanto, aos 18', o argentino converteu um penálti com um remate à Panenka, abrindo o marcador.

Ainda na primeira parte, Suárez soltou-se dos centrais franceses e assistiu Coutinho, que só teve de encostar para o 2-0. Antes do intervalo, Anthony Lopes foi substituído depois de um choque numa jogada dividida. O Lyon reduziu aos 58', por Tousart, e gerou nervosismo em Camp Nou, com um golo a chegar para os franceses passarem aos quartos-de-final.

Os últimos 15 minutos do Barcelona não deram hipóteses aos franceses, e acabariam com o jogo. Messi marcou aos 78', Piqué aos 81' e Dembelé aos 86'.

Terminados os oitavos-de-final, destaque para a presença inglesa na fase seguinte da Liga dos Campeões. Das oito equipas que restam, quatro são inglesas (Liverpool, Tottenham, Manchester United e Manchester City) e todas possíveis adversários do FC Porto. Os dragões podem ainda defrontar Ajax, Juventus e Barcelona.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?