Abel: "Contra os três grandes fomos manifestamente prejudicados"

O treinador bracarense considerou esta quinta-feira que o Sp. Braga foi "manifestamente prejudicado" pelas arbitragens frente aos grandes na I Liga, manifestando vontade de reforçar a equipa para "fazer o que ainda não foi feito".

O técnico dos minhotos, que falava na conferência de imprensa de antevisão da receção ao Portimonense, na sexta-feira, em jogo da 34.ª e última jornada da I Liga, fez um balanço do campeonato e, embora assumindo "erros próprios", apontou o dedo às arbitragens. "Andámos pelo primeiro lugar, pelo segundo e pelo terceiro, lutámos pelos primeiros lugares até sete jornadas do fim e depois ficámos em quarto. Todos queríamos mais e disse que, em maio, teríamos o que fizéssemos por merecer. Disse que não falaria mais em arbitragens, mas, infelizmente, contra os três grandes fomos manifestamente prejudicados, foram seis penáltis contra esses clubes", disse.

Abel Ferreira desvalorizou a crítica do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, em entrevista concedida ao jornal O Jogo, sobre uma reação (sorriso) do técnico arsenalista após derrota por 6-2 com o Benfica. "Respeito muito o presidente mais titulado do mundo do futebol, mas fico contente por [Pinto da Costa] reconhecer competência às minhas equipas e que não facilitaram em jogo nenhum para vencer Sporting, Benfica e FC Porto", observou.

O técnico frisou estar "de corpo e alma" no projeto bracarense, quando foi questionado sobre se coloca a hipótese de a sua continuidade estar dependente do jogo com o Portimonense, pois, em caso de desaire, o Braga terminará a época com quatro derrotas seguidas. "Acredito muito no que faço, nas pessoas que dirigem o clube e no projeto que temos. Tendo em conta as incidências deste campeonato, as vicissitudes que teve, era difícil fazer melhor, mas também acreditámos que todos podem melhorar, os intervenientes e nós também", disse.

Abel Ferreira assinalou que no jogo com os algarvios será "para vencer como sempre" e no qual "está em causa apenas o brio e o profissionalismo" dos jogadores, lembrando que, juntamente com a equipa B, é treinador do Sporting de Braga há quatro anos. "Eu sei que isso não é normal no futebol porque hoje vivemos no tempo da luz, as pessoas fartam-se depressa das coisas, mas eu não me farto de querer continuar a vencer. O segredo está em ser equilibrado quando as coisas correm bem e menos bem. Estou de corpo e alma neste projeto, acredito que é possível fazer o que ainda não foi feito e que, com astúcia, uma boa análise e prospeção, é possível reforçar esta equipa para nos tornarmos mais fortes e combater as desigualdades que existem neste campeonato", disse.

Sporting de Braga, quarto classificado da I Liga, com 64 pontos, e Portimonense, 11.º, com 39, defrontam-se na sexta-feira, às 20.30, no Estádio Municipal de Braga.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.