A meia-final FC Porto-Deportivo, 15 anos depois: "Pinto da Costa é perigosíssimo"

Augusto César Lendoiro, ex-presidente do Deportivo da Corunha, recordou duelo perdido com os portistas na Liga dos Campeões: "Não foi normal"

Para o antigo dirigente, que deu uma entrevista a um programa televisivo, a arbitragem teve um fator decisivo na eliminação dos espanhóis pelo FC Porto, naquela meia-final da Liga dos Campeões 2003/04, prova que os portistas, treinados por José Mourinho, conquistariam na final frente ao Mónaco.

Lendoiro lembrou a expulsão de Jorge Andrade, defesa português que representava a equipa galega, por dar um pontapé "amigável" em Deco e apontou o dedo à arbitragem do jogo da primeira mão, realizado no antigo Estádio das Antas, metendo o Euro 2004 ao barulho.

"A arbitragem no jogo do Porto foi nefasta. Sabiam o que queriam e foram contra nós. Deram-nos [os jogadores do FC Porto] até ao osso e nem um cartão lhes mostraram. Era a época do Mourinho e o FC Porto tinha uma equipa muito trabalhada. Não era uma grande equipa, mas era difícil e dura. A eliminatória ficou muito condicionada pela expulsão do Jorge Andrade numa ação sobre o Deco. O árbitro inventou-a, porque os jogadores eram amigos. Depois não pôde jogar no Riazor e isso custou-nos a eliminatória. A arbitragem influenciou seguramente. O Deportivo não era uma equipa com pedigree na Europa e nesse ano o Europeu jogava-se lá em Portugal. Creio que isso teve um papel importante", referiu o histórico dirigente do Depor.

Lendoiro falou ainda da figura de Pinto da Costa, presidente portista. "Depois já conhecia o Pinto da Costa, dos jogos de hóquei em patins... é um tipo curiosíssimo, simpatiquíssimo e perigosíssimo...", disse o espanhol, entre risos. "Estou convencido de que aquilo não foi normal", completou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG