A incrível sala de troféus de Pedro, o 'afilhado' de Guardiola que já ganhou tudo

Com a conquista da Liga Europa, o avançado espanhol do Chelsea tornou-se no único jogador a ganhar as duas competições mais importantes da UEFA, a Supertaça Europeia, o Mundial de Clubes e ainda os títulos de campeão do Mundo e da Europa pela seleção do seu país. Também foi campeão espanhol e inglês. No total tem 25 títulos.

Se na hora de contratar um jogador de futebol um clube olhasse apenas para o currículo, Pedro Rodríguez, de 31 anos, era neste momento o futebolista mais pretendido do mundo. Com a conquista da Liga Europa pelo Chelsea, na quarta-feira, o avançado espanhol tornou-se no único jogador a ter no palmarés Liga dos Campeões (3), Liga Europa (1), Supertaça Europeia (3), Mundial de Clubes (2) e um Mundial e um Europeu pela seleção espanhola.

"Agora já me posso retirar", disse o espanhol em tom de brincadeira após a final da Liga Europa. "É fantástico, mais um título para o meu currículo. Este ano foi a primeira vez que joguei na Liga Europa e ganhar a competição é especial. Estou muito feliz por ter marcado um golo nesta final, e agora é tempo de festejarmos este título com os nossos adeptos, que bem merecem este troféu. É um sentimento indescritível, mas merecemos", acrescentou.

Mas o currículo de Pedro Rodríguez não se cinge apenas aos principais troféus a nível de competições europeias e mundiais. Também em provas domésticas o internacional espanhol é um autêntico papa títulos, com várias taças pelos dois únicos clubes que conheceu na carreira - Barcelona e Chelsea. Em Espanha, pelos blaugrana, somou 5 ligas espanholas, 3 Taças do Rei e 4 Supertaças de Espanha. Na Inglaterra, ao serviço do Chelsea ganhou 1 liga inglesa e 1 Taça de Inglaterra.

As contas são simples de fazer. Somando todos os troféus, são 25 títulos conquistados. Não é um recorde na atualidade, mas nenhum outro jogador de futebol pode gabar-se de ter ganho todas as provais internacionais por clubes e seleção.

Além disso, o avançado será para sempre recordado como o único jogador espanhol a conseguir marcar golos em todas as competições numa só temporada, quando em 2009, pelo Barcelona, faturou na Liga espanhola, Taça do rei, Supertaça de Espanha, Liga dos Campeões, Supertaça Europeia e no Mundial de Clubes.

Esta temporada, pelo Chelsea, Pedro Rodríguez terminou a época com um total de 13 golos marcados. Oito no campeonato inglês e cinco na Liga Europa, um deles na final de quarta-feira, na vitória por 4-1 sobre o Arsenal.

O atacante espanhol entrou desta forma para um restrito grupo de jogadores do futebol mundial que conseguiram marcar em finais da Liga e da Champions, ao lado de nomes como Steven Gerrard, Allan Simonsen, Hernan Crespo e o ex-portista Dmitri Alenichev.

Pedro Rodríguez, ao longo da carreira, destacou-se pelos golos decisivos apontados em finais. Além do segundo do Chelsea na Liga Europa diante do Arsenal, marcou ao Shakthar Donetsk na decisão da Supertaça Europeia (2009), ao Manchester United na final da Champions (2011) e outra vez na Supertaça Europeia ao Sevilha (2015).

Apadrinhado por Pep Guardiola

O jogador espanhol formou-se nas escolas do Barcelona, clube onde chegou em 2004, com idade de juvenil. Na temporada 2006/07 chegou a estar com um pé de fora do clube, devido a alguns relatórios desfavoráveis. Por sorte, nesse ano, Pep Guardiola pegou na equipa B do Barcelona e segurou-o. Foi o início de uma carreira recheada de sucessos, com a chegada à equipa principal em 2009/10, também sob o batismo de Pep Guardiola. Abandonou de vez o diminutivo 'Pedrito' e passou a ser conhecido por Pedro Rodríguez.

Em 2009 marcou o seu primeiro golo pela equipa principal dos catalães, em agosto, diante do Athletic Bilbau, na Supertaça de Espanha, numa partida onde fez ainda a assistência para o 2-1 que valeu ao Barça o troféu.

Na temporada 2013/14, numa altura em que o Barcelona era treinado por Gerardo Martino, Pedro perdeu espaço na equipa. E na época seguinte a situação complicou-se com as contratações de Neymar e Luis Suárez. Pouco utilizado, no verão de 2015 assinou um contrato de quatro anos pelo Chelsea, por indicação de José Mourinho, numa transferência avaliada em 30 milhões de euros.

"Temos um dos melhores avançados do mundo, um jogador com muita experiência e do qual eu gosto muito. Era seu desejo deixar o clube [Barcelona], um dos melhores clubes do mundo, do qual normalmente não se quer sair. Deixar um clube que o amava e no qual era amado é um sinal de ambição. Ele ganhou tudo, jogando com Messi, Iniesta e outras estrelas. Mas ele quer mais, e eu estou muito contente com esta atitude", disse na altura José Mourinho sobre o avançado.

Pelo Chelsea, clube com o qual tem contrato até 2020, Pedro não conseguiu o mesmo número de títulos conquistados pelo Barcelona, mas para já em quatro temporadas soma um campeonato inglês, uma Taça de Inglaterra e uma Liga Europa. Pela seleção espanhola, onde soma 65 internacionalizações e 17 golos marcados, destacam-se o título de campeão Mundial em 2010, na África do Sul, quando a Espanha bateu na final a Holanda no prolongamento com um golo de Iniesta. E depois de campeão da Europa de 2012, na Rússia, torneio que os espanhóis venceram após baterem no jogo decisivo a Itália por 4-0.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG