A história do adepto solitário que poderá ser premiado pela FIFA

Sebastián Carrera, aficionado do clube chileno Puerto Montt, é um dos três candidatos ao Prémio dos Adeptos da gala The Best 2018, da FIFA

A gala da FIFA The Best 2018, que poderá voltar a consagrar Cristiano Ronaldo como melhor jogador do mundo e CR7 ou Ricardo Quaresma como autores do melhor golo do mundo deste ano, também poderá premiar um desconhecido adepto pela sua fidelidade ao clube do coração.

Sebastián Carrera, adepto dos chilenos do Puerto Montt, apareceu em solitário no estádio do Coquimbo Unido a 22 de outubro, depois de ter viajado a solo os 1491 quilómetros que separam as localidades dos dois clubes, apenas para ver e apoiar a sua equipa.

A imagem do setor visitante ocupada apenas por um adepto a saltar correu mundo e a paixão de Sebastián foi reconhecida pela FIFA, que o nomeou para o galardão.

"É algo de que me orgulho mas que não esperava. Tiveram que abrir a bancada e bilheteira de propósito", afirmou ao programa televisivo argentino Hoy nos toca, do Canal de la Ciudad, confessando ter passado dois dias em viagem.

Certo é que o Puerto Montt acabou por vencer e um dos jogadores dedicou a vitória ao adepto solitário. "Este triunfo é para ti, obrigado por confiares e seguir-nos até aqui sem te importares. Deste tudo pela tua equipa", publicou no Twitter o jogador Juan Pablo Abarzúa.

Para passar de nomeado a vencedor, o adepto chileno terá concorrência de peso, ambas relativas ao Campeonato do Mundo: os cerca de 40 mil peruanos que viajaram à Rússia para apoiar a sua seleção e os senegaleses e japoneses que limparam as bancadas depois de um jogo entre as duas seleções.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.