A Champions vai começar. Saiba quais são as equipas e os grupos mais caros e mais baratos

City de Bernardo Silva tem o plantel mais caro da Champions e o grupo A, que integra o Real Madrid e o PSG, é o que tem maior valor de mercado. No oposto, o Slavia de Praga tem a equipa mais baratinha e o grupo do Benfica é o mais modesto em termos financeiros.

Arranca nesta terça-feira a edição 2019-2020 da Liga dos Campeões. O Benfica será o único representante português e está inserido no G, juntamente com Zenit, O. Lyon e RB Leipzig, equipa alemã contra a qual se vai estrear esta noite (20.00). Ao todo são 32 clubes, divididos em oito grupos, mas nem todos têm o mesmo valor em termos desportivos e financeiros.

De acordo com o transfermarkt, site especializado no mercado de futebolistas, o valor de todos os 32 plantéis juntos ascende a quase 16 mil milhões de euros (mais concretamente 15.899,95). Mas há uns muito mais valiosos do que os outros. Por exemplo, a diferença entre o plantel mais caro da Champions e o mais baratinho é enorme: o Manchester City, o mais caro, vale 1.28 mil milhões de euros; o Slavia de Praga, o mais barato, está avaliado em 36,6 milhões de euros.

O City de Guardiola bate toda a concorrência em termos de valor do plantel, com quatro jogadores que valem 100 milhões de euros ou mais. À cabeça está Raheem Sterling, avaliado em 140 milhões de euros. Seguem-se Kevin de Bruyne (130), Leroy Sané (100) e o português Bernardo Silva (100). O segundo clube com o plantel mais valioso é o Real Madrid (1,19 mil milhões e com Eden Hazard, avaliado em 150 milhões, como jogador mais caro) e a fechar o pódio surge o Barcelona (1,18 mil milhões), que tem Lionel Messi (150) e Griezmann (130) como jogadores mais valiosos.

Depois, ainda na casa dos mil milhões, surgem Liverpool (1.070) e PSG (1.060). Imediatamente abaixo desta fasquia estão o Tottenham (984), o At. Madrid de João Félix (872,5), B. Munique (867,4), a Juventus de Ronaldo (864) e o Chelsea (807) a fechar o top 10.

No lote das equipas menos valiosas quem lidera o ranking é o Slavia de Praga, cujo plantel está avaliado em apenas 36,6 milhões de euros. Depois segue-se o Estrela Vermelha (57,95) e o Dínamo de Zagreb (73,3). Ainda abaixo dos 100 milhões aparecem o Olympiacos, clube grego treinado pelo português Pedro Martins (83,05), e os austríacos do RB Salzburgo (95).

E em termos grupos, quais são os mais valiosos? No topo está logo o agrupamento A, que junta o Real Madrid, o PSG, o Galatasaray e o Bruges. Estas quatro equipas, juntas, estão avaliadas em 2.517 mil milhões de euros, muito à custa, claro, dos plantéis do Real e Paris Saint-Germain.

A seguir estão os grupos F e D. O primeiro integra Barcelona, B. Dortmund, Inter Milão e Slavia de Praga, que juntos têm plantéis avaliados em 2.386 mil milhões de euros. E depois o grupo que tem Atlético de Madrid, Juventus, Bayer Leverkusen e Lokomotiv de Moscovo. Estas quatro equipas têm um valor de mercado de 2.286 milhões de euros.

O Benfica está, curiosamente, naquele que se pode chamar o grupo (G) mais modesto no que diz respeito ao valor financeiro dos plantéis, já que é o agrupamento com o valor de mercado mais baixo. RB Leipzig, Benfica, Zenit e O. Lyon, juntos, estão avaliados 1.379 mil milhões de de euros. O plantel benfiquista, treinado por Bruno Lage, vale 310 milhões de euros e tem como jogadores masi caros Grimaldo e Rúben Dias, avaliados em 32 milhões de euros. Os germânicos do RB Leipzig têm um valor de mercado de 521 milhões (o jogador mais caro é o avançado Timo Werner (65M); o Zenit vale 207,6M (o futebolista mais valioso é Malcom, 40M) e finalmente o O. Lyon tem um plantel avaliado em 340.35M (os mais caros são Memphis Depay e Houssem Aouar, avaliados em 45M cada).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG