16,2 milhões de euros por ano. O contrato milionário de CR7 com a Nike

Revista alemã Der Spiegel revela os valores milionários que a marca desportiva paga ao jogador português.

Em 2016, Cristiano Ronaldo assinou um contrato de 162 milhões de euros com a Nike, válido por dez anos (ou seja, 16,2 milhões de euros por ano). Quem o revela é a revista alemã Der Spiegel que este fim de semana faz uma pré-publicação do livro Football Leaks 2 - New Revelations From the World of Professional Football.

Ronaldo foi disputado pela Nike e pela Adidas. A Nike acabou por vencer essa batalha e o português sér mesmo o atleta que mais recebe da marca desportiva, à frente do norte-americano LeBron James, estrela da NBA.

Além dos 162 milhões de euros, o jogador da Juventus recebe um bónus de quatro milhões de euros sempre que ganhe uma Bola de Ouro ou o Prémio The Best da FIFA durante o período do contrato. Devido a esse e outros bónus, de acordo com a Football Leaks, o jogador recebeu cerca de 20,2 milhões de euros de bónus em 2016 e 2017.

Estes números não foram, no entanto, confirmados pelo jogador nem por nenhum dos seus representantes. E a marca também declinou fazer comentários à publicação alemã. "A Nike não comenta contratos com atletas".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.