Yusuf Jamal, a campeã moral da corrida mais suja de sempre

Metade das 12 atletas finalistas dos 1500 metros nos Jogos Olímpicos de 2012, realizados em Londres, ou foram suspensas ou estão sob suspeita. E isto numa prova... lentíssima

Ponto de partida. Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, final dos 1500 metros femininos. O tempo da vencedora (4.10.23), a turca Asli Cakir Alptekin, foi apenas 10 segundos mais lento do que a final olímpica anterior. Para se ter uma ideia, o tempo da portuguesa Carla Sacramento, obtido em Atlanta 1996, daria para conquistar a medalha de ouro em 2012.

Esta introdução serve para vincar a ironia de esta ter sido, provavelmente, uma das corridas mais sujas de sempre, pois seis das 12 finalistas ou foram suspensas ou estão sob uma suspeição relacionada com o doping.

Olhemos para o pódio. A vencedora foi, como já dissemos, a turca Cakir Alptekin, mas a sua relação com o doping começou em 2004 quando acusou uma substância proibida no Mundial júnior. Foi suspensa por dois anos e regressou ao atletismo, sendo treinada pelo seu marido. Neste momento está suspensa por oito anos, depois de ter acusado doping sanguíneo em 2013. A sua situação motivou uma dura batalha entre a Federação turca de atletismo e a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) que recorreu ao Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) para clarificar a situação da turca, que aceitaria, já no ano passado, perder o título olímpico e o título europeu de 2012.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG