"Videoárbitro? Nem tudo serão rosas"

O presidente da FPF alerta para as dificuldades que possam surgir e relebra que estamos ainda numa fase de testes. A aposta nesta tecnologia, explica, custa aos cofres do organismo um milhão de euros

Está quase a arrancar a I Liga e com ela uma novidade histórica; a introdução do videoárbitro, sendo Portugal um dos países pioneiros na sua utilização.

"Todos temos consciência de que não serão tudo rosas e haverá dificuldades. Serão ultrapassadas com um conhecimento mais detalhado na forma de operar, na forma de interligar e comunicar que é muito importante nesta fase. Damos toda a disponibilidade para transmitir todo o feedback possível e imaginário ao IFAB para que esse processo seja de sucesso relativamente ao futuro. Será um processo de aprendizagem. Por isso mesmo, esta ainda é uma fase de testes. Toda esta vivência vai dar uma base de conhecimento que irá permitir ajustar no futuro a utilização da tecnologia no sentido de melhorar o jogo e a verdade desportiva", explicou ao site da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) o presidente do organismo, Fernando Gomes.

O dirigente acrescentou ainda que a introdução do videoárbitro vai custar aos cofres da FPF um milhão de euros. "Desde o primeiro momento queremos estar na linha da frente neste processo. Se o árbitro tiver meios auxiliares que permitam tomar as decisões mais acertadas nos 90 minutos de um jogo, é a nossa responsabilidade tudo fazer para que isso aconteça. Neste primeiro ano, tomámos a decisão de experimentar e todo esse custo se situará à volta de um milhão de euros e será suportado pelo orçamento da FPF. Estamos convencidos de que será um investimento com retorno significativo em termos daquilo que vai aportar na verdade desportiva", salienta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG