Triatleta atacado por homens que lhe serraram as pernas

Assaltantes não quiseram o telemóvel, nem a carteira ou a bicicleta de Gwala, mas sim cortar-lhe os membros. Atleta está no hospital à espera de uma cirurgia que pretende salvar-lhe a perna direita

O triatleta sul-africano, Mhlengi Gwala, foi atacado esta terça-feira, enquanto treinava, por três homens que tentaram cortar as duas pernas do atleta com um serrote. Gwala conseguiu pedir ajuda e está atualmente fortemente medicado e a aguardar a cirurgia que lhe irá salvar a perna que chegou a estar em risco de amputação. O triatleta iria participar este mês nos campeonatos nacionais da África do Sul.

Sandile Shange, um dos atletas que costuma treinar com Mhlengi Gwala, disse à BBC que o jovem de 27 anos se encontra estável e que não corre perigo de vida.

Gwala estava a andar de bicicleta (uma das provas que fazem parte do triatlo) quando foi atacado, contou Dennis Jackson, diretor do programa de atletas de elite para a província de KwaZulu-Natal. Os três homens não pretendiam roubá-lo, uma vez que nada foi furtado, mas sim cortar-lhe as pernas com um serrote. Começaram pela perna direita e só pararam quando chegaram ao osso e não conseguiram continuar e foi então que começaram a serrar a perna esquerda do atleta. Nesta altura, avistaram alguém e fugiram.

Gwala conseguiu arrastar-se até à estrada e conseguiu pedir ajuda. Apesar da violência do ataque, a serra não atingiu nenhuma artéria principal e os cirurgiões estão confiantes de que podem salvar a perna direita, que foi serrada até ao osso.

Não existe ainda uma explicação para o ataque de que o atleta foi alvo, mas um roubo não parede ter sido o motivo: Gwala ofereceu o telemóvel, a carteira e a bicicleta aos assaltantes, mas estes recusaram.

O triatleta Henri Schoeman, que ganhou a medalha de bronze para a África do Sul nas Olimpíadas de Rio de Janeiro, em 2016, comentou o ataque no Twitter, que descreveu como "absolutamente nojento" e questionou sobre a segurança das estradas na África do Sul.

Mhlengi Gwala tinha superado os as vícios de drogas e álcool no passado e tinha vindo a representar o seu país em competições internacionais, como em Chicago, em 2015, e na Holanda, no ano passado.

O vice-ministro sul-africano do Desporto Gert Oosthuizen, classificou o ataque de "totalmente inaceitável" e disse que a polícia está a investigar o caso como tentativa de homicídio.

Entretanto, foi anunciada uma iniciativa de crowdfunding na página do Ironman África do Sul, através da plataforma "BackABuddy", intitulada "Vamos trazer Mhlengi de volta à sua bicicleta" e que pretende recolher verbas para os tratamentos médicos e recuperação total do triatleta. Do valor definido como meta - 750 000.00 rands - já foram angariados 488 916.36 rands e dezenas de pessoas têm deixado comentários de apoio a Mhlengi Gwala.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG