Três anos e meio de prisão para Miccoli

Antigo avançado do Benfica foi condenado por extorsão agravada, quando representava o Palermo, entre 2010 e 2011. Tribunal referiu que o ex-jogador utilizou métodos mafiosos

O caso é complexo mas ditou pena de três anos e meio de prisão para Fabrizio Miccoli, ex-jogador do Benfica, por extorsão agravada.

O futebolista foi acusado pela procuradoria de utilizar métodos mafiosos. Na prática Miccoli fez-se valer de um contacto, Maulo Lauricella, filho de Antonio Lauricello, chefe do quartiere Kalsa, um bairro mafioso de Palermo, para conseguir 20 mil euros junto de Andrea Graffagnini, proprietário de uma discoteca. Este empresário, alegadamente, devia 20 mil euros a Giorgio Gasparini, um antigo fisioterapeuta do Palermo.

Basicamente, Miccoli fez de intermediário, o problema é que Mauro Lauricella, ou alguém por ele, usou de "violência extrema" para conseguir os tais 20 mil euros. Este caso remonta aos anos de 2010 e 2011, altura em que Miccoli representava o Palermo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG