Terceiro bronze escapa a Diogo por dois centésimos

Nos Europeus de piscina curta, o nadador do Galitos quase repetiu o pódio de 2013 e de 2015, em 200 metros estilos. Alexis Santos foi 7.º na final

Diogo Carvalho "não vinha com expectativa de medalhas", mas ficou perto - muito perto - de conquistar a terceira da sua carreira, nos Europeus de piscina curta, que estão a decorrer em Copenhaga (Dinamarca). Na final de 200 metros estilos (a sua especialidade), realizada ontem, o bronze escapou ao nadador português por apenas dois centésimos de segundo. Uma pequena desilusão, numa competição em que a natação nacional está a surpreender pela positiva.
Ontem, Diogo Carvalho e Alexis Santos foram as figuras portuguesas dos Europeus de piscina curta - que se realizam até amanhã, na Royal Arena da capital dinamarquesa. Ambos se apuraram para a final de 200 metros estilos (com os tempos de 1.54,58 e de 1.55,14, respetivamente), após uma jornada matinal em que Gabriel Lopes (1.56,14) e João Vital (2.00,20) também bateram os recordes pessoais da mesma disciplina e Victoria Kaminskaya melhorou o seu máximo nos 200 m mariposa (2.10,14).

Na hora da decisão, Diogo Carvalho esteve quase a fazer história - repetindo as medalhas de bronze conquistadas nos Europeus de piscina curta de Herning (2013) e de Netanya (2015). O nadador do Galitos (clube de Aveiro) ainda passou no 3.º lugar aos 50 metros, mas perdeu terreno para o trio da frente e a recuperação final revelou-se insuficiente: acabou em 1.54,18 minutos, bem perto do norueguês Tomoe Zenimoto Havas (1.54,16). "Não vinha com expectativa de medalhas, mas quando cheguei à final sabia que poderia voltar a tentar um lugar no pódio. Dois centésimos é muito pouco, mas pronto...", lamentou o atleta aveirense, de 29 anos, em declarações divulgadas pela Federação Portuguesa de Natação.

Apesar da deceção, Diogo Carvalho destacou o facto de esta ter sido a sua "nona final europeia" ("fruto de trabalho e dedicação"): uma façanha rara na natação portuguesa, que está pouco habituada a ter finalistas, mas ontem teve dois na decisão de 200 estilos (repetindo o feito raro de Netanya 2015). Alexis Santos, outro especialista da disciplina (bronze em 200 m estilos nos Europeus de piscina longa de 2016), foi 7.º na final de ontem (1:54,85), depois de ter batido o recorde pessoal nas eliminatórias.

"[Alcancei] mais um recorde pessoal e uma presença numa final: estou feliz, mas queria fazer melhor. Cometi alguns erros, arrisquei porque sabia que entre o 3.º e o 8.º lugar era muito apertado, mas paguei o preço no final", descreveu o nadador do Sporting, após a prova. Agora, Alexis foca-se nos 100 m estilos - eliminatórias (9:36) e semi-finais (16:35) hoje, finais amanhã. "É uma prova de que gosto, vou lutar por passar à meia-final e depois tentar a final. Estou em boa forma", afirmou.

Junto de Alexis Santos, competem na disciplina Gabriel Lopes e Diogo Carvalho: "fiz a minha grande aposta nesta distância olímpica [os 200 m estilos], agora vou ver se recupero para desfrutar em outras competições", diz o nadador aveirense. Hoje, Gabriel Lopes também estará em ação nos 50 m mariposa. E Miguel Nascimento (100 m livres), Diana Durães (200 m livres) e Victoria Kaminskaya (200 m estilos) vão tentar igualmente prolongar a imagem positiva de Portugal nos Europeus de piscina curta, onde já se registaram cinco presenças de nadadores lusos em finais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG