"O meu pai batia-me, cuspia-me, puxava-me o cabelo e insultava-me"

Atleta escreve livro em que denuncia os maus tratos que sofria

A tenista sérvia Jelena Dokic, 34 anos, que chegou a ser número 4 no ranking mundial, lançou um livro onde expõe e descreve detalhadamente os abusos que sofreu por parte do seu pai, Damir Dokic, que era também seu mentor desportivo.

"O meu pai batia-me, cuspia-me, puxava-me o cabelo e insultava-me", escreve Jelena Dokic no livro intitulado "Unbreakable".

Jelena explicou este domingo, ao jornal Sunday Telegraph, que os maus tratos começaram quando tinha apenas seis anos e começou a treinar e continuaram numa "espiral negativa".

A atleta refere que, quando tinha 11 ou 12 anos o seu pai a castigava de diversas formas: batendo-lhe, puxando-lhe o cabelo e as orelhas, pontapeando-a, ou até mesmo usando o cinto. Qualquer coisa que apanhasse à mão era o suficiente. Os maus tratos deixavam-na com marcas e a tenista chegou a perder os sentidos.

Os abusos eram também verbais, o que tornava o sofrimento de Jelena ainda maior. Todas as coisas que o pai lhe dizia faziam-na sofrer bastante a nível emocional. Estes maus tratos aconteciam quase todos os dias, como explica Jelena ao jornal.

A tenista confessa ainda que passou por uma depressão e tentativas de suicídio.

Os abusos continuaram até aos 19 anos, quando Jelena decidiu fugir de casa, deixando tudo para trás, incluindo o seu dinheiro.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.