Del Potro sobe ao sexto lugar do ranking após triunfo em Indian Wells

O argentino subiu esta segunda-feira do oitavo para o sexto lugar da classificação do ténis mundial, após ter derrotado no domingo, na final ATP 1.000 de Indian Wells, o suíço Roger Federer, líder da tabela.

Del Potro, que se impôs ao suíço 6-4, 6-7 (8-10) e 7-6 (7-2), depois de salvar três match points, aproximou-se da sua melhor classificação de sempre na hierarquia mundial, o quarto lugar que ocupou em 2010.

Federer, que sofreu a primeira derrota do ano, num embate que liderou por 5-4 e 40-15, a servir, no terceiro parcial, continua a comandar a tabela, seguido do espanhol Rafael Nadal, segundo, e do croata Marin Cilic, terceiro.

João Sousa, o único português a marcar presença no top 100, subiu cinco lugares, ocupando agora a 80.ª posição.

O português, que já foi 28.º classificado da hierarquia, chegou na semana passada à terceira ronda do ATP 1.000 de Indian Wells, na qual foi eliminado pelo canadiano Milos Raonic.

No ranking feminino, o destaque vai para a entrada da letã Jelena Ostapenko no top 5, por troca com a checa Carolina Pliskova, que é agora sexta.

A japonesa Naomo Osaka, que no domingo conquistou no torneio de Indian Wells o primeiro grande título da carreira, subiu do 44.º para o 22.º lugar.

A tabela feminina continua a ser liderada pela romena Simona Halep, seguida da suíça Caroline Wozniacki e da espanhola Garbine Muguruza, segunda e terceira classificadas, respetivamente.

Michelle Larcher de Brito continua a ser a portuguesa mais bem classificada, ocupando a posição 373.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.