Bruno de Carvalho quer liberdade para substituir demissionários do Conselho Diretivo

Com o anexo à convocatória do dia 17, se os sócios aprovarem as alterações, o Conselho Diretivo (CD) nunca perderá o quórum e o mandato pode terminar apenas com o presidente como único elemento do CD eleito

Bruno de Carvalho vai submeter à aprovação dos sócios na Assembleia Geral do dia 17, cuja marcação foi feita pela comissão transitória da Mesa da Assembleia Geral (MAG), novas competências para o presidente do CD. Entre elas a seguinte: "Em caso de cessação antecipada dos membros do CD, o seu presidente poderá indicar o preenchimento das vagas outros sócios efetivos A, contando que se mantenham os requisitos e a proporcionalidade prevista no n.º 3 desta norma estatutária." Ou seja, em caso de demissões Bruno de Carvalho terá que encontrar sócios inscritos há, pelo menos, 15 anos com pagamento ininterrupto nos 15 anos anteriores à eleição.

Basicamente isto impedirá que o CD perca o quórum, podendo dar-se o caso de o presidente, seja ele qual for, terminar o mandato como único membro eleito.

O documento refere ainda que o CD deseja tornar oficial, através dos estatutos, a renúncia com efeitos imediatos dos órgãos (CD, MAG e Conselho Disciplinar e Fiscal) mal sejam designadas as comissões de substituição.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG