Nuno Saraiva contesta data do Estoril-FC Porto

Diretor de comunicação do Sporting não percebe por que não se jogou a segunda parte no período de 30 horas seguintes, como ditam os regulamentos

O reagendamento da segunda parte do Estoril-FC Porto para o dia 21 de fevereiro, como anunciado esta terça-feira pela Liga de Clubes, suscitou já a contestação por parte do Sporting, através de uma publicação do seu diretor de comunicação Nuno Saraiva.

Numa publicação na rede social Facebook, Saraiva diz que a Liga pactuou com o atropelo aos regulamentos protagonizado por ambos os clubes (Estoril e FC Porto), não percebendo, "a não ser por mero oportunismo desportivo", por que não se realizaram os segundos 45 minutos no período de 30 horas seguintes à interrupção do jogo, "como determinam os regulamentos", e frisando também que nem sequer se respeita o período de quatro semanas definido nos regulamentos como limite temporal máximo para a remarcação de um jogo da segunda volta. "Ao ceder deste modo aos interesses de uma das partes, é a própria Liga que se coloca numa posição de fragilidade", critica o dirigente.

Nuno Saraiva deixa ainda reparos à atitude do FC Porto. "Não se compreende, aliás, que quem anda de megafone a apregoar a "verdade desportiva" e, dia sim dia não, a encher a boca com o "Estorilgate" venha agora procurar uma solução que é, em quase tudo, idêntica a esse episódio que envergonha o futebol português. Esperemos que, neste agendamento, não existam asteriscos em letra miudinha a permitir que possa existir novo adiamento por eventuais lesões de jogadores do FC Porto."

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG