Jesus demorou 14 anos a domar o dragão, mas tomou-lhe o gosto

Treinador do Sporting só perdeu uma vez com o FC Porto nos últimos sete jogos. Mas Nuno também só perdeu uma vez com os leões

Sporting e FC Porto enfrentam-se no próximo domingo, em Alvalade, no primeiro grande clássico da época, e a história diz que as equipas de Jorge Jesus não apresentam registo nada famoso contra os azuis e brancos: em 39 encontros, ganharam nove, empataram outros nove e perderam 21! No entanto, grande parte deste histórico do técnico foi construído fora do universo dos três grandes, em clubes como Felgueiras, Estrela da Amadora, Belenenses, União de Leiria, Vitória de Setúbal ou Vitória de Guimarães. No Sporting, por exemplo, Jesus ganhou os dois duelos da época passada.

O cenário foi mudando pouco a pouco, desde a chegada do técnico a um grande. No Benfica, embora ainda tenha ficado em desvantagem, a relação de forças começou a ser alterada, com Jesus a sair da Luz com um saldo de sete triunfos, quatro igualdades e nove desaires. Ao longo do percurso, JJ foi aprendendo a domar o dragão, como se constata pelo facto de só ter sido derrotado uma vez nos últimos cinco duelos enquanto técnico encarnado. E essa derrota por 3-1 no Dragão até acabou por ser saborosa, pois ocorreu na última jornada da época de 2013-14, quando o Benfica já era virtual campeão nacional...

Já ao serviço do Sporting, Jesus ganhou os dois encontros com o FC Porto na época passada: 2-0 em Alvalade, com bis de Slimani; 3-1 no Dragão, com novos dois golos de Slimani e um de Bruno César. Ou seja, se analisarmos apenas a sua trajetória no Benfica e no Sporting, clubes da mesma dimensão do FC Porto, o saldo está empatado, com nove vitórias, quatro empates e nove derrotas. Contas feitas, o último desaire do atual técnico leonino contra os portistas remonta já há três épocas. E não aqueceu nem arrefeceu, pois Jesus já tinha o campeonato no bolso.

No entanto, a história não se apaga e algumas das derrotas mais humilhantes da carreira de Jesus ocorreram frente ao FC Porto. A que lhe custou mais foi selada por um jogador, Kelvin, de quem os adeptos portistas nunca mais ouviram falar: nesse dia 11 de maio de 2013, no Dragão, disputava-se a penúltima jornada do campeonato e um empate bastava aos visitantes para continuarem na liderança. Lima adiantou o Benfica, Maxi Pereira, numa altura em que mal sabia que se iria mudar para o rival um ano depois, marcou na própria (imagine-se se tal tivesse acontecido na época seguinte!) e, ao minuto 90+2, Kelvin bateu Artur Moraes, no seu único momento digno de registo no FC Porto. E JJ ajoelhou-se no relvado ao perceber que ainda não era dessa que iria ganhar o seu segundo título de campeão nacional...

Outro desaire marcante no Dragão ocorreu a 7 de novembro de 2010, quando o Benfica, com Roberto na baliza, foi "atropelado" por 5-0 pelo FC Porto de André Villas-Boas, na célebre noite em que David Luiz jogou como defesa-esquerdo. Falcao (autor de um bis) e Hulk fizeram o que quiseram da defesa encarnada, que pior ficou quando Luisão foi expulso, a meio da segunda parte. Mas nessa altura já havia 3-0...

Nenhuma vitória antes do Benfica

E como teve JJ de penar até ganhar um jogo ao FC Porto! Sem ser ao serviço de Benfica e Sporting não venceu uma única vez, em 17 confrontos, e só conseguiu cinco empates: Sporting de Braga (1 E, 1D), Estrela da Amadora (1 E, 3 D), Belenenses (1 E, 3 D), União de Leiria (2 D), Moreirense (1 E), Vitória de Guimarães (1 D), V. Setúbal (1 D) e Felgueiras (1 E e 1 D).

O atual treinador do Sporting estreou-se na divisão principal pelo Felgueiras, em 1995-96 mas foi só 14 anos e meio depois, a 20 de dezembro de 2009, que ganhou finalmente aos azuis e brancos, num Benfica-FC Porto disputado debaixo de temporal e que foi decidido com um golo de Saviola. Um resultado que se revelou decisivo para a conquista do título de campeão nacional pelas águias.

O guarda-redes Quim, que aos 40 anos se mantém em atividade ao serviço do Desportivo das Aves, foi treinado por Jorge Jesus no Benfica e recorda-se que os encontros com o FC Porto não costumavam ser nada fáceis. "Por mais que se diga que todos os jogos são iguais e valem os mesmos três pontos, a verdade é que os jogadores não se conseguem abstrair por completo da tradição dos maus resultados recentes e era sempre complicado defrontar o FC Porto e obter bons resultados", recorda ao DN.

Quim revela que Jorge Jesus "ficava muito zangado quando perdia qualquer jogo, mas mais ainda diante do FC Porto, que era o grande rival na luta pelo campeonato e pelas outras competições nacionais".

Quim já não fazia parte do plantel do Benfica quando Jesus começou a equilibrar as contas com os dragões, mas sublinha "ser perfeitamente natural que dois clubes de dimensão semelhante apresentem resultados repartidos, já não sendo nada normal um resultado de 5-0 como aconteceu há uns anos".

Nuno dá-se bem com o leão

Se Jorge Jesus apresenta um saldo negativo com o FC Porto, devido a muitos anos de treino em equipas mais modestas, o facto de Nuno Espírito Santo só ter defrontado o Sporting ao serviço do Rio Ave não o impede de ter um saldo muito positivo diante dos leões, com três vitórias contra apenas um empate e uma derrota.

Em 2012-13, na sua época de estreia na I Liga, precisamente ao serviço dos vilacondenses, o técnico aproveitou da melhor forma a pior época da história leonina (sétimo lugar no campeonato) para averbar três vitórias: 1-0 em Alvalade, logo à segunda jornada, naquele que foi o primeiro aviso sério de que Ricardo Sá Pinto não iria durar muito mais tempo como treinador do Sporting; 2-1 na segunda volta, em Vila do Conde, quando Jesualdo Ferreira já era o terceiro técnico dos verdes e brancos, depois de ter sucedido ao belga Franky Vercauteren; e 3-0, igualmente no Estádio dos Arcos, para a Taça da Liga, então ainda com Vercauteren no banco dos leões.

Na temporada seguinte, em 2013-14, Nuno Espírito Santo voltou a surpreender Alvalade numa fase precoce do campeonato (1-1, na quinta jornada, frente a uma equipa orientada por Leonardo Jardim) tendo sido derrotado em casa na segunda volta, por 2-1.

Seis em seis para Jesus

Já o confronto entre Jorge Jesus e Espírito Santo é totalmente favorável ao primeiro, com seis vitórias em seis jogos: quatro para a I Liga e duas muito importantes, a valerem troféus: as finais da Taça de Portugal e da Taça da Liga em 2013-14. A diferença de golos é esmagadora, a favor das equipas de Jesus: 17-2!

O guarda-redes Quim antevê um bom duelo entre o jovem Nuno Espírito Santo, de 42 anos e na sua terceira equipa como treinador principal, e o experiente Jorge Jesus, de 62 e 12 clubes já na carreira. "Penso que vai ser um jogo muito tático. Obviamente que Jorge Jesus tem muito mais experiência e prepara estes clássicos de forma minuciosa, mas não é qualquer um que chega a treinador do FC Porto, por isso o Nuno tem de ter muita competência", realça.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG