Sá Pinto e José Couceiro são os preferidos de Sousa Cintra

Até segunda-feira vai ser tomada uma decisão e a SAD está disposta a assumir o risco de fazer contrato válido por um ano apesar das eleições de 8 de setembro

Ricardo Sá Pinto e José Couceiro são os preferidos de José Sousa Cintra para assumir o cargo de treinador do Sporting. O DN sabe que são estes os dois nomes que estão na mente do agora administrador da SAD do Sporting, sendo certo que o dirigente prometeu apresentar o novo treinador "até segunda-feira".

Quer Sá Pinto quer José Couceiro estão livres e têm ambos uma ligação afetiva muito forte ao clube leonino. Independentemente disso, a SAD, que está em gestão apenas até 8 de setembro - data das eleições -, sabe que não vai ser fácil convencer Sá Pinto ou José Couceiro a assumir um compromisso por um período ligeiramente superior a dois meses. No entanto, a SAD tem um trunfo em mãos: acenar com um contrato de um ano, independentemente de haver eleições a 8 de setembro.

O DN sabe que Ricardo Sá Pinto, neste momento, está disponível para o Sporting, clube que levou já a umas meias-finais da Liga Europa e a uma final da Taça de Portugal, perdida para a Académica. A 7 de junho último Ricardo Sá Pinto, que na época passada orientou o Standard de Liège, afirmou não estarem "criadas as condições fundamentais para que volte nesta altura ao Sporting". Basicamente o que mudou foi que Bruno de Carvalho saiu.

Por seu turno, José Couceiro, sobrinho-neto do violino Peyroteo, termina o seu contrato com o Vitória de Setúbal no próximo sábado, ele que já orientou os leões em dez partidas na época 2010-11, tendo promovido, nessa altura, a estreia de William Carvalho.

Estes são os dois nomes que estão em cima da mesa, mas não há nenhum acordo estabelecido. Em bom rigor não se pode, sequer, dizer que o próximo treinador será Sá Pinto ou José Couceiro.

Ao contrário do que foi veiculado, Augusto Inácio nunca foi convidado para treinador, ele que está como diretor para o futebol. Prevaleceu a ideia de Sousa Cintra face à dos restantes membros da comissão de gestão, que pretendiam uma solução de recurso até às eleições. E aí, sim, cabia Augusto Inácio, tal como Luís Martins ou mesmo Manuel Fernandes. "Gosto muito do Inácio, é da casa, mas ele não vai ser o novo treinador", justificou.

Não vai ser Inácio e muito menos Sinisa Mihajlovic, com quem Bruno de Carvalho assinou um contrato válido por três anos a 18 de junho último. "Foi contratado para três anos e uma das primeiras coisas que fez foi alterar o estágio. O Sporting tem compromissos e só nessa alteração perdeu 300 mil euros. Como tal, e como ainda estava no período de experiência, decidimos terminar o contrato com o técnico. É uma carta fora do baralho", reconheceu Sousa Cintra, que garantiu que o treinador já foi informado da decisão da SAD. Ainda assim, o DN sabe que o treinador está inclinado a comparecer em Alvalade na sexta-feira de forma a lutar pelos seus interesses, tudo dependendo do aconselhamento dos seus advogados .

Sousa Cintra, em conferência de imprensa, garantiu que o Sporting "vai lutar para ser campeão" e confirmou a notícia publicada pelo DN de que estava a procurar reverter as rescisões: "Estou a tentar resolver, tenham paciência. Não é de um dia para o outro, mas posso dizer que estou ocupado com esse assunto."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.