"Marta Soares devia ter alegado respeito pelos sócios"

Para o jurista Lúcio Correia a providência cautelar não foi posta da melhor forma. Mas garante que o tribunal reconheceu Marta Soares como presidente da Mesa da Assembleia Geral e extingue as comissões criadas pelo Conselho Diretivo

Bruno de Carvalho clamou vitória, Jaime Marta Soares também, mas o tribunal indeferiu a providência cautelar colocada pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting (MAG) tendo em vista a realização da Assembleia Geral Extraordinária de destituição marcada para dia 23 e que o presidente leonino não reconhece.

Lúcio Correia, especialista em direito desportivo, considera que a decisão do tribunal deveu-se mais a uma "questão formal do que propriamente a uma questão de fundo". E sublinha: "Quem pôs a providência cautelar, na minha opinião não a pôs bem."

Jaime Marta Soares pediu, destaca o jurista, a "prestação de todos os meios necessários" à realização do Assembleia Geral Extraordinária (AGE) de destituição do dia 23 "quando o caminho era o respeito pela vontade dos sócios".

"Jaime Marta Soares devia ter colocado o foco no risco da AGE não se realizar e no respeito pela vontade dos sócios, que desejam a realização da AGE. Ele diz que pode haver uma tragédia, uma batalha campal, mas para o tribunal aquilo que se pede nesta providência não iria evitar essa tragédia", considera Lúcio Correia que aponta um caminho para Jaime Marta Soares: "A providência cai porque aquela questão da salvaguarda dos sócios, da tragédia, não podia ser evitada por aquilo que se pede nesta providência. Na minha opinião o presidente da MAG só tem uma coisa a fazer; intentar nova providência mas desta vez incidindo o foco no respeito pela vontade dos sócios. Explicar que uma grande maioria de sócios quer a realização da AGE e que a mesma é vital para a sobrevivência do clube e por isso recorre ao tribunal para que a mesma se cumpra como reprodução da vontade dos sócios. A questão da salvaguarda era um caminho mas quem aprecia não pode dizer que vai haver uma batalha campal. O tribunal achou que o fundamento do pedido não está de acordo com o mesmo pois aquilo que era solicitado, como os funcionários, o caderno de sócios, etc, não evitaria uma tragédia, que era isso que Jaime Marta Soares pedia para que o tribunal evitasse."

Há duas coisas que Lúcio Correia, no entanto, considera que ficaram esclarecidas com esta decisão: "O teor da decisão ao conferir legitimidade ao presidente da MAG extingue, por consequência, a legalidade das outras comissões criadas para o exercício de competências que são da MAG e do Conselho Fiscal e Disciplinar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.