Álvaro Sobrinho pede demissão do Conselho Diretivo

Garante que vai tomar "todas as medidas legais para garantir a estabilidade da gestão da SAD"

Álvaro Sobrinho, empresário detentor da Holdimo, sociedade que detém 28% da SAD leonina, defende em declarações ao Jornal Económico a demissão do Conselho Diretivo.

"A direção da Sporting SAD não merece a confiança do segundo maior acionista e deve apresentar a demissão. A Holdimo já não tem confiança na direção e nos órgãos sociais da Sporting SAD", disse o angolano ao Jornal Económico que no seu entender Bruno de Carvalho "está a pôr em risco os ativos da empresa e isto não pode acontecer" dando como exemplo os últimos acontecimentos desde o post após o encontro com o Atlético de Madrid que "têm causado imensos problemas e danos reputacionais".

Álvaro Sobrinho disse ainda que a Holdimo está "imensamente preocupada" e que vai fazer absolutamente tudo para preservar os principais ativos que são os jogadores.

As ações do Sporting caíram esta quinta-feira mais de 17%, para 63 cêntimos, depois dos acontecimentos dos últimos dias: as agressões a jogadores e equipa técnica em plena Academia Sporting, em Alcochete, e a investigação sobre viciação de resultados que levou à detenção de André Geraldes, diretor para o futebol do clube.

"Era estúpido um acionista gostar desta situação", disse também Álvaro Sobrinho.

Garantiu que a Holdimo "tudo fará para manter a estabilidade da SAD", onde "há um problema na gestão da sociedade, nos órgãos da direção, no presidente e nos seus membros executivos".

A polémica que envolve o Sporting agravou-se nos últimos dias, depois da derrota da equipa de futebol no domingo, no último jogo da I Liga de futebol, frente ao Marítimo, que fez o clube de Alvalade perder o segundo lugar para o Benfica.

Na terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, que vai disputar com o Desportivo das Aves, a equipa de futebol foi atacada na Academia Sporting, em Alcochete, por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores.

A GNR deteve 23 dos atacantes e as reações de condenação do ataque foram generalizadas e abrangeram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

Face às críticas, Bruno de Carvalho negou hoje, em comunicado enviado à Lusa, qualquer responsabilidade pelo ataque na academia, rejeitou demitir-se da presidência do Sporting e anunciou que vai processar Ferro Rodrigues, bem como comentadores e jornalistas por o terem "difamado e caluniado" após os atos de violência em Alcochete.

Entretanto, a Mesa da Assembleia-Geral demitiu-se em bloco, vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar renunciaram aos cargos e parte do Conselho Diretivo também renunciou.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve quatro pessoas ligadas ao Sporting na quarta-feira, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.