Final de época no Porto não augura nada de bom para leões

Clássico: em jogos das últimas três jornadas, Sporting só venceu uma vez na Invicta e foi em 1944. Virgolino, pai de Jesus estava no plantel

É já neste sábado que o FC Porto, 3.º classificado, recebe o Sporting num jogo decisivo para os leões, ainda esperançados na conquista do título. Esta será a terceira vez, em toda a história da competição, que este clássico disputado na Invicta numa das três últimas rondas é fundamental para os lisboetas e indiferente para os nortenhos e, nas duas anteriores, o "mal" foi dividido pelas aldeias. Em 1943-44, levaram a melhor os leões, ganhando por 3-1, com dois "violinos" a marcar, Peyroteo e Albano (do plantel fazia parte Virgolino, pai de Jorge Jesus). Já em 1970-71, levou a melhor o FC Porto, numa altura em que o Sporting dividia o comando do campeonato com o Benfica: ficou 2-1 e os visitantes atrasaram-se irremediavelmente na luta pelo primeiro lugar.

De resto, registe-se que o FC Porto-Sporting é o jogo entre os três grandes de Portugal que aconteceu menos vezes nas últimas três jornadas: esta será apenas a sétima vez (cinco triunfos para os dragões e apenas um dos leões). Mas nem só o registo positivo nos jogos em casa será um fator a favorecer o FC Porto. Pelo menos, essa é a opinião de Morato, antigo internacional português que representou os dois clubes. "Neste momento, e devido às circunstâncias, será um jogo que o FC Porto não vai querer sequer empatar, por isso nem pensem que vai facilitar. Apesar de estar longe do nível a que nos habituou não vai deixar o Sporting ganhar no Dragão."

O ex-central concorda com ideia de que, caso o Sporting não vença, o título fica entregue, mesmo que "o futebol seja sempre imprevisível, como tem mostrado o Tondela". "O Benfica até tem ganho os últimos jogos com sorte mas ninguém no FC Porto pensará que se ganhar lhes vai facilitar a vida", assinalou ao DN, acrescentando não ter preferência, mesmo tendo sido formado em Alvalade. E recorda: "Fui muito bem tratado no FC Porto, e ainda sou, por Pinto da Costa, de quem serei amigo até ao fim. Sábado não vou torcer por ninguém: que ganhe o melhor".

Um dérbi na memória

Na história da Liga portuguesa, já houve 12 ocasiões como a atual, em que dois dos grandes se defrontaram nas derradeiras rondas com um deles afastado e outro na luta pelo título. E só em três dessas situações, o resultado foi decisivo nas contas finais (ver quadro). A última delas sucedeu em 1986, quando o Sporting foi ganhar à Luz e ofereceu o título de bandeja ao FC Porto. Nessa equipa leonina atuava exatamente Morato, autor de um dos golos no triunfo por 2-1.

"Isso foi engraçado, não ganhávamos na Luz há 22 anos. Mas chegámos lá e vimos as mulheres deles preparadas para a festa e ainda por cima estivemos a levar com o hino do Benfica durante todo o jogo, mesmo no nosso balneário, o Manuel José nem conseguia falar. Quando entrámos parecia que estávamos a jogar com 22, deu-nos mais pica", recorda o ex-jogador, antes de lembrar, entre risos, a sua... premonição: "Por acaso, na véspera tinha dito ao Damas que ia marcar e ele respondeu-me "vai mas é dormir, miúdo". No fim do jogo fui ter com ele e disse-lhe, "estás a ver, ó velho, como tinha razão?" Claro que levei um calduço..."

Se o Sporting tirou esse título ao Benfica, a verdade é que antes lhe oferecera um, a expensas do... Belenenses. Em 1955, os azuis ficaram a quatro minutos do segundo título, altura em que consentiram o empate frente aos verde e brancos nas Salésias. Sem o mesmo dramatismo, os encarnados devolveram a gentileza em 2002: ganharam ao Boavista na Luz, por 2-1, e o Sporting, que empatara em Setúbal, festejou o seu último campeonato.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG