Álvaro Sobrinho pede demissão do Conselho Diretivo

Garante que vai tomar "todas as medidas legais para garantir a estabilidade da gestão da SAD"

Álvaro Sobrinho, empresário detentor da Holdimo, sociedade que detém 28% da SAD leonina, defende em declarações ao Jornal Económico a demissão do Conselho Diretivo.

"A direção da Sporting SAD não merece a confiança do segundo maior acionista e deve apresentar a demissão. A Holdimo já não tem confiança na direção e nos órgãos sociais da Sporting SAD", disse o angolano ao Jornal Económico que no seu entender Bruno de Carvalho "está a pôr em risco os ativos da empresa e isto não pode acontecer" dando como exemplo os últimos acontecimentos desde o post após o encontro com o Atlético de Madrid que "têm causado imensos problemas e danos reputacionais".

Álvaro Sobrinho disse ainda que a Holdimo está "imensamente preocupada" e que vai fazer absolutamente tudo para preservar os principais ativos que são os jogadores.

As ações do Sporting caíram esta quinta-feira mais de 17%, para 63 cêntimos, depois dos acontecimentos dos últimos dias: as agressões a jogadores e equipa técnica em plena Academia Sporting, em Alcochete, e a investigação sobre viciação de resultados que levou à detenção de André Geraldes, diretor para o futebol do clube.

"Era estúpido um acionista gostar desta situação", disse também Álvaro Sobrinho.

Garantiu que a Holdimo "tudo fará para manter a estabilidade da SAD", onde "há um problema na gestão da sociedade, nos órgãos da direção, no presidente e nos seus membros executivos".

A polémica que envolve o Sporting agravou-se nos últimos dias, depois da derrota da equipa de futebol no domingo, no último jogo da I Liga de futebol, frente ao Marítimo, que fez o clube de Alvalade perder o segundo lugar para o Benfica.

Na terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, que vai disputar com o Desportivo das Aves, a equipa de futebol foi atacada na Academia Sporting, em Alcochete, por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores.

A GNR deteve 23 dos atacantes e as reações de condenação do ataque foram generalizadas e abrangeram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

Face às críticas, Bruno de Carvalho negou hoje, em comunicado enviado à Lusa, qualquer responsabilidade pelo ataque na academia, rejeitou demitir-se da presidência do Sporting e anunciou que vai processar Ferro Rodrigues, bem como comentadores e jornalistas por o terem "difamado e caluniado" após os atos de violência em Alcochete.

Entretanto, a Mesa da Assembleia-Geral demitiu-se em bloco, vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar renunciaram aos cargos e parte do Conselho Diretivo também renunciou.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve quatro pessoas ligadas ao Sporting na quarta-feira, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol.

Com Lusa

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.