Absolvição de Slimani foi decisão "política"

Domingos Cordeiro diz que foi afastado do Conselho de Disciplina da FPF por ter defendido que Slimani agrediu Samaris

Domingos Cordeiro, antigo Vogal do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, Secção Não Profissional, enviou uma carta aberta ao Presidente do Conselho de Justiça da FPF, Manuel Serra, a demarcar-se da absolvição no "Caso Slimani".

O conteúdo da carta foi revelado pela TSF e Domingos Cordeiro fala na existência de "pressões políticas" na absolvição do ponta-de-lança do Sporting, no caso da suposta agressão a Samaris, médio do Benfica.

"Como é sabido, e resulta dos autos, dos sete membros que compõem o Conselho de Disciplina, um houve que votou vencido: EU! Voto vencido, aliás, que, em meu entender, viria a funcionar como causa próxima para a minha não inclusão na lista de 20/04/2016, encabeçada pelo Dr. Fernando Gomes e candidata aos órgãos sociais da FPF, 2016/2020", escreveu Domingos Cordeiro, precisamente no dia em que deixou de ser Vogal no Conselho de Disciplina.

Domingos Cordeiro diz que decidiu enviar a carta ainda na "qualidade de dirigente desportivo", de modo a que se "alguém ligado ao movimento federativo se sentir atingido pelas palavras" possa, "querendo", recorrer à Justiça Desportiva.

"À luz das leis e regulamentos que regem a Justiça Desportiva na FPF, é por demais evidente que a solução proposta pelo Relator do Acórdão de 8/4/2016, é tudo menos uma decisão baseada na Lei e nos Regulamentos. É, antes uma deliberação de política desportiva, determinada por 'atendismos', criticou.

O advogado defende que havia matéria para castigar Slimani e que o caso poderia ter sido resolvido rapidamente, recorrendo a um processo sumário.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG