Raphael Guerreiro e Gelson Martins falham treino

Os dois apresentaram pequenas dores musculares e não integraram esta quarta-feira o treino coletivo da seleção de nacional, que prepara os oitavos de final do Mundial 2018, no sábado frente ao Uruguai.

O lateral esquerdo Raphael Guerreiro, que tem sido sempre titular, evoluiu à parte, com o fisioterapeuta António Gaspar, enquanto Gelson, ainda com escassa utilização por Fernando Santos (substituiu Bernardo Silva aos 59 minutos no triunfo 1-0 frente a Marrocos), ficou no ginásio.

Nenhum dos dois atletas estará em duvida para o encontro com os sul-americanos.

Depois de na véspera a equipa das quinas ter evoluído sem os 11 titulares no empate 1-1 com o Irão, que valeu a qualificação, a afinação da estratégia prosseguiu em Kratovo, o quartel-general luso, 50 quilómetros a sudeste de Moscovo.

Nos 15 minutos abertos à comunicação social, o apronto começou com o grupo dividido em três, em círculos com testes de passe ao primeiro toque e os habituais meínhos.

Cristiano Ronaldo, Pepe, André Silva, Quaresma, Bruno Alves e João Moutinho formavam um grupo, Cédric, Rúben Dias, William, João Mário, Adrien e Gonçalo Guedes o segundo, enquanto Ricardo, Bruno Fernandes, José Fonte, Mário Rui, Manuel Fernandes e Bernardo Silva integravam o terceiro.

Fernando Santos começou por avaliar o desempenho dos seus pupilos à distância, à sombra, junto aos guarda-redes Rui Patrício, Beto e Anthony Lopes, que trabalharam com Fernando Justino.

Portugal e Uruguai defrontam-se sábado às 21.00, 19.00 em Lisboa, em Sochi, para decidir um lugar nos quartos de final.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.