A despedida de Phelps e outros destaques do oitavo dia dos Jogos

Triplo salto salvou os portugueses em prova no sábado, oitavo dia dos Jogos Olímpicos

A última medalha da carreira do já lendário Michael Phelps, se mantiver a decisão de se retirar, aconteceu hoje na piscina olímpica do Rio de Janeiro, com o mais medalhado de todos os tempos a integrar a estafeta de estilos norte-americana.

Natação

Phelps, de 31 anos, fez o terceiro percurso, mariposa, ajudando à vitória dos Estados Unidos e conseguindo para sim o quinto ouro e sexta medalha no Rio2016. Desde Atenas2004 que Phelps ganha medalhas e chegou hoje à impressionante série de 23 medalhas de ouro, 28 no total.

Um máximo absoluto, em todas as modalidades, que coloca Phelps num plano ainda mais destacado, pois ele já era recordista de medalhas e títulos desde Londres.

A abrilhantar a vitória do quarteto norte-americano, Ryan Murphy bateu o recorde do mundo de costas, no primeiro percurso (51,85).

A estafeta de estilos feminina foi ganha pelas norte-americanas, os 1.500 metros livres masculinos pelo italiano Gregorio Paltrinieri e os 50 metros livres femininos pela dinamarquesa Pernilla Blume, no que foi o último dia da natação pura no Rio2016.

A queda de Mo Farah

A despedida em glória de Phelps deixou para segundo plano o que se passou no estádio olímpico, nomeadamente a revalidação do título dos 10.000 metros do britânico Mo Farah.

Mesmo caindo a meio da prova, o campeão de Londres2012 teve forças para regressar à liderança da corrida e superar a habitual concorrência do Quénia e da Etiópia, sem soluções para o melhor fundista da atualidade.

Nos 100 metros femininos, a jamaicana Shelly-Anne Fraser-Pryce não conseguiu o objetivo do 'tri' olímpico e cedeu a coroa à sua compatriota Elaine Thompson. Depois dos anteriores falhanços de Dibaba, nos 10.000 metros, e Adams, no peso, é certo que não haverá tricampeãs no Rio de Janeiro.

O novo campeão do salto em comprimento é o norte-americano Jeff Henderson e no heptatlo a surpresa veio da jovem belga Nafissatou Thiam.

De manhã, o jamaicano Usain Bolt 'mostrou-se' nas séries de 100 metros, dando boas indicações para a luta pelo ouro, domingo à noite, o mesmo acontecendo com os seus principais rivais, Justin Gatlin, dos Estados Unidos, e Yohan Blake, também da Jamaica.

E no lançamento do disco assistiu-se a uma invulgar transmissão de ouro entre irmãos, com Christophe a suceder a Robert e o título a ficar na Alemanha e na família Harting.

Primeiro ouro de sempre para Porto Rico

Numa necessariamente 'tensa' final do sabre feminino por equipas, as russas venceram as ucranianas e na final de ténis feminino a porto-riquenha Monica Puig surpreendeu a favorita Angelique Kerber, da Alemanha - primeiro ouro de sempre para Porto Rico.

Nova Zelândia, Austrália, Estados Unidos e Grã-Bretanha ficaram com os títulos do dia no remo e no ciclismo em pista registaram-se triunfos para a Holanda e para a Grã-Bretanha.

Ouros para a Itália e Alemanha, no tiro, e para a Bielorussia, nos trampolins, com o único título do dia no halterofilismo a ir para o Irão.

No quadro global de medalhas, os Estados Unidos alargam a vantagem e já têm 60, das quais 24 de ouro. Um pouco mais atrás está a China, com 41 e 13 de ouro e a Grã-Bretanha, com 30 e 10.

Os portugueses no Rio

Patrícia Mamona e Susana Costa, com a qualificação para a final do triplo salto, 'salvaram' o sábado português nos Jogos Olímpicos Rio2016, num dia marcado pelo adeus do futebol e do ténis de mesa. Mesmo sem alcançarem a marca de qualificação direta, que estava nos 14,30 metros, as duas portuguesas conseguiram estar entre as 12 melhores da qualificação, com Patrícia Mamona, campeã europeia, a fazer 14,18 metros e Susana Costa a saltar de 14,12. Com o apuramento garantido por ambas no último salto, as duas atletas asseguraram a presença na final de domingo.

Ainda no atletismo, Cátia Azevedo falhou o acesso às meias-finais dos 400 metros livres, ao ser quarta na sua série, com um tempo de 52,38 segundos, a 75 centésimos do seu recorde nacional, mas insuficiente para ser repescada. Depois de ter chegado aos quartos de final em Londres2012, a seleção de ténis de mesa chegava ao Rio de Janeiro com ambições redobradas, mas acabou por cair na primeira ronda, frente à campeã europeia Áustria, por 3-1, num encontro em que se pode queixar da sorte.

Com o confronto empatado a um, Portugal dispôs de dois pontos de encontro no confronto de pares, mas viram a sorte virar-lhes as costas, em especial, quando numa das oportunidades para fechar o jogo, a bola tocou na rede e acabou por cair do lado luso, com Robert Gardos e Daniel Habesohn a levarem a melhor sobre Tiago Apolónia e João Monteiro, por 3-2 (6-11, 11-8, 11-9, 6-11 e 12-10).

Antes, Gardos tinha derrotado Apolónia, por 3-2 (11-6, 3-11, 11-3, 6-11 e 11-9) e Marcos Freitas empatado, ao derrotar Stefan Fegerl, por 3-2 (11-7, 12-10, 6-11, 7-11 e 11-2), mas ao quarto encontro Fegerl fechou o confronto, com um triunfo sobre Monteiro, por 3-1 (9-11, 11-8, 11-8 e 11-9). Também o sonho de o futebol chegar às medalhas terminou nos quartos de final, com a 'remendada' seleção de Rui Jorge a ser goleada pela Alemanha, por 4-0, em Brasília.

Serge Gnabry, aos 45+1 minutos, Matthiass Gintter, aos 57, Davie Selke, aos 75, e Max Philipp, aos 87, fizeram os golos que qualificaram a Alemanha e impediram que Portugal voltasse a estar nas meias-finais, 20 anos depois de Atlanta96.

Dramática acabou por ser a estreia de Diogo Abreu nos trampolins, com o português a terminar a primeira rotina na quarta posição entre 16 ginastas, mas uma queda na segunda acabou por atirá-lo para fora de prova.

Estreia também infeliz no Rio2016 foi a de Pedro Martins no badminton, que foi derrotado pelo canadiano Martin Giuffre, num encontro em que até começou bem, ao vencer o primeiro 'set' por 21-14, tendo tido um ponto de encontro no segundo parcial, mas acabou por ser derrotado por 24-22, 21-6, ao final de 60 minutos.

Depois de terem terminado o primeiro dia em segundo lugar da classe 49er, os velejadores portugueses Jorge Lima e José Costa caíram para a 11.ª posição, após seis regatas.

Gustavo Lima, na 22.ª posição de Laser, e Sara Carmo, na 27.ª de Laser Radial, não chegaram à 'medal race' e terminaram a sua participação nestes Jogos.

Dia negativo foi também o dos dois golfistas portugueses, com Ricardo Melo Gouveia e Filipe Lima a terem uma terceira volta para 'esquecer', estando igualados no 44.º lugar da classificação, com 217 pancadas (quatro acima do par).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG