Raphael Guerreiro volta a marcar e B. Dortmund iguala Bayern na frente

Terceiro golo da temporada para o internacional português

Raphael Guerreiro começou hoje o jogo no banco de suplentes, mas entrou e ainda foi a tempo de marcar, na vitória do Borussia de Dortmund sobre o Friburgo (3-1), jogo da quinta jornada da liga alemã de futebol.

Com este resultado, o Dortmund chega aos 12 pontos no campeonato, tantos quantos tem o líder Bayern de Munique, que no sábado joga em Hamburgo.

O internacional português foi um dos jogadores poupados por Thomas Tuchel, já com a mente virada para a receção ao Real Madrid, na terça-feira, em jogo para a Liga dos Campeões, tanto mais que na passada terça-feira a equipa tinha jogado em Wolfsburgo (vitória por 5-1).

Raphael Guerreiro entrou aos 71 minutos para o lugar de Mario Goetze, quando a equipa da casa ganhava por 2-1. Marcou o terceiro da sua equipa, aos 90+1 minutos, a confirmar a vitória. Este foi também o terceiro golo do português esta época, depois de ter marcado ao Legia Varsóvia (Liga dos Campeões) e ao Wolfsburgo.

O gabonês Aubameyang abriu a contagem, aos 45, e o polaco Lukasz Piszczek elevou para 2-0, aos 53, antes de Maximilian Phillip reduzir, aos 60.

O Dortmund, vice-campeão em título, integra o grupo F da Liga dos Campeões, juntamente com Sporting, Real Madrid e Legia de Varsóvia. Na primeira ronda goleou por 6-0 em Varsóvia e terá o primeiro cruzamento com o Sporting a 18 de outubro, no estádio José Alvalade.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.