Quaresma "perde a cabeça" após expulsão no dérbi de Istambul

O extremo português do Besiktas viu o cartão vermelho sete minutos depois de ter entrado em campo... e a reação não foi bonita

Ricardo Quaresma perdeu a cabeça esta quinta-feira no decorrer do dérbi de Istambul que opôs o Besiktas ao Fenerbahçe, a contar para as meias-finais da Taça da Turquia.

O internacional português entrou ao intervalo e sete minutos depois recebeu ordem de expulsão por ter dado uma cotovelada ao brasileiro Souza, médio do Fenerbahçe que já representou o FC Porto. O extremo teve depois uma reação intempestiva, tendo mesmo sido agarrado por colegas e alguns adversários quando tentava abordar um jogador do rival.

A partida, referente à primeira mão das meias-finais terminou com uma igualdade a duas bolas, tendo o Fenerbahçe terminado a partida reduzido a nove jogadores devido à expulsão de dois jogadores.

Pelo Besiktas, que jogou em casa, Pepe e Anderson Talisca foram titulares, sendo que o internacional português foi substituído aos 80 minutos, numa altura em que já tinha um cartão amarelo.

A segunda mão realiza-se a 17 de abril.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.