PSP descarta constrangimentos no Clássico, em dia de autárquicas

A PSP considera que o jogo entre o Sporting e o FC Porto não será limitador para quem quiser votar, em dia de eleições autárquicas

O subintendente Pedro Pinho, responsável pelo policiamento do Sporting-FC Porto, rejeitou esta sexta-feira constrangimentos na segurança do jogo da I Liga de futebol, apesar de se tratar de uma "situação nova", por coincidir com a realização das eleições autárquicas.

"Estamos atentos a essa situação, para que quem quer exercer o direito de voto o possa fazer. Não será limitador, será uma condicionante, que foi tida em consideração no planeamento da segurança. É uma situação nova", reconheceu Pedro Pinho, subintendente da PSP, em conferência de imprensa.

O responsável pelo policiamento do 'clássico' observou que, apesar de a hora do início do jogo (19:15) ser posterior à do encerramento das urnas de voto (19:00, em Portugal continental e Madeira), a abertura das portas do estádio José Alvalade, em Lisboa, está marcada para as 17:15.

"Tudo será feito para que adeptos possam ver futebol e os cidadãos exercer o direito de voto", reforçou Pedro Pinho, assinalando que a zona de parqueamento dos autocarros que transportam os adeptos do FC Porto é perto de uma das assembleias de voto, mas a entrada faz-se do lado oposto.

A PSP, que não especificou o número de agentes policiais envolvidos nas operações de segurança, classificou de "risco elevado" o jogo em que estará em discussão a liderança do campeonato, para o qual espera mais de 49.500 espetadores, perto de 3.000 adeptos do FC Porto.

Pedro Pinho explicou que o acesso dos adeptos sportinguistas à Porta 1 do estádio do clube lisboeta será condicionada, por se tratar de uma zona de entrada exclusiva dos seguidores da equipa visitante, que serão acompanhados pela PSP desde a sua concentração, no Porto.

O jogo da oitava jornada da I Liga, entre o Sporting, segundo classificado, com 19 pontos, e o líder FC Porto, que contabiliza 21, realiza-se no domingo, no estádio José Alvalade, em Lisboa, com início às 19:15 horas e arbitragem de Carlos Xistra, da Associação de Futebol de Castelo Branco.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?