Portugueses somam vitórias no Mundial da Malásia

Seleção masculina venceu Bielorrússia e Singapura e reparte liderança do grupo com o Japão

A seleção portuguesa masculina de ténis de mesa continua na corrida aos quartos de final dos Mundiais da modalidade, que decorrem na Malásia, depois de esta segunda-feira ter vencido a Bielorrússia e Singapura.

Os jogadores lusos não sentiram dificuldades para derrotarem aquelas duas seleções por 3-0, pelo que estão cada vez mais próximos de discutir com o Japão o primeiro lugar do grupo, que dá acesso direto aos quartos de final, enquanto os segundo e terceiro classificados de cada um dos quatro grupos vão marcar presença nos oitavos de final.

Antes do encontro com o Japão, agendado para quarta-feira, Portugal terá de ultrapassar a Polónia na terça-feira, na quarta jornada da 'poule' C. Nesta altura, portugueses e japoneses têm três triunfos em três jogos, sendo já as duas únicas seleções invictas do grupo.

No primeiro encontro do dia, a seleção lusa desembaraçou-se com facilidade da sua congénere bielorrussa por 3-0, num embate em que Marcos Freitas derrotou Aliaksandr Khanin por 3-2, João Monteiro bateu Pavel Platonov por 3-1 e Tiago Apolónia venceu Gleb Shamruk por 3-0.

Singapura também não colocou grandes dificuldades ao selecionado luso, saindo também derrotada por 3-0, numa partida em que Marcos Freitas superiorizou-se a Xue Jie Pang, Tiago Apolónia a Ze Yu Clarence Chew e João Monteiro a Shao Feng Ethan Poh, todos por 3-0.

Ao contrário da seleção masculina, a equipa feminina, a competir na segunda divisão, somou hoje duas derrotas, frente à Croácia e à Índia, ambas por 3-0, tendo apenas registado um triuno, no domingo, beneficiando da falta de comparência da Nigéria.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.