Portugal não acompanha crescimento económico das ligas europeias

Relatório mostra aumento reduzido das receitas dos clubes lusos e coloca Benfica no 2.º lugar da lista dos maiores passivos de 2015

A I Liga portuguesa está habituada a medir forças com a França - e, no passado recente, com a Rússia - pelo estatuto de quinto melhor campeonato na hierarquia da UEFA, mas quando o assunto é o poderio económico Portugal continua atrás no futebol europeu. É essa a conclusão do relatório financeiro publicado ontem pela UEFA, que mostra que os clubes lusos tiveram um crescimento residual em termos económicos nos últimos seis anos.

Segundo a UEFA, as receitas de cada clube português cresceram em média 0,4% no espaço de seis anos, o que significou um aumento total de receitas de 45 milhões de euros entre 2009 e 2015, os períodos em análise no estudo. A Premier League continua a pertencer a uma realidade à parte: cada clube cresceu, em média, 99,2% em termos económicos, para um total de receitas superior a quatro mil milhões de euros. Seguem-se Alemanha (48,1%) e Espanha (27,4%), enquanto Portugal é apenas 11.º.

Apesar de se encontrar na hierarquia da UEFA à frente de países como Holanda, Suíça, Bélgica e Turquia, a I Liga está atrás de todos estes campeonatos no crescimento económico. Cada clube português gerou, em média, 19,1 milhões de euros no período em análise, mas este valor aparece "inflacionado" pelas receitas de Benfica, FC Porto e Sporting, clubes que geram muito mais dinheiro do que os restantes emblemas nacionais. Em Inglaterra, por exemplo, cada clube gera em média 134,5 milhões de euros; Alemanha e Espanha também faturam cinco vezes mais do que Portugal.

Benfica e adeptos do Sporting

Há poucos clubes portugueses em destaque no relatório de 130 páginas da UEFA, mas o Benfica é notícia pelas suas contas: o clube da Luz tinha a segunda maior dívida do futebol europeu no fecho do estudo, em 2015, com um total de 336 milhões de euros. O Manchester United lidera a lista, com 536 milhões, mas um fator joga a favor do clube agora treinado por José Mourinho: a dívida cobre 80% dos ativos do clube. No caso do Benfica, segundo o relatório da UEFA, a dívida é significativamente superior aos ativos, ao cobrir 130% do valor total do clube.

A dívida do Benfica foi 3,3 vezes superior às receitas geradas no período em estudo, tendo registado um crescimento anual de 3%. De realçar que grande parte dos clubes presentes nos top 20 são equipas que foram recentemente compradas por milionários que decidiram investir no futebol, casos de Inter (306 milhões), Valência (285) e QPR (279), que completam a lista dos cinco primeiros. Milan, PSG, Atlético e Mónaco são outros exemplos.

O Sporting, por sua vez, surge em destaque por ter sido o nono clube com maior aumento na média de adeptos que leva ao estádio. Os leões tiveram um aumento de cinco mil adeptos e concluíram 2015-16 com uma média de 39,988 adeptos em Alvalade. A lista é liderada pelo Manchester City. Destaque ainda para a presença do FC Porto no 3.º lugar entre os clubes que mais faturaram com transferências em 2015, com um total de cem milhões de euros, atrás de Real Madrid (111) e Liverpool (104) e à frente de Atlético de Madrid (92) e Benfica (91).

Salários inflacionados

Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, mostrou-se satisfeito com o relatório da UEFA, considerando que o fair-play financeiro contribuiu para que "os ganhos combinados subissem até 1,5 mil milhões de euros, em comparação com os 700 mil milhões de prejuízo anteriores". Porém, há nove clubes que estão a acentuar uma desigualdade nas pautas salariais.

O Barcelona paga os maiores salários da Europa, com uma despesa anual de 340 milhões de euros, seguido por Real Madrid (289) e Chelsea (284). City, United, PSG, Arsenal, Bayern e Liverpool são os restantes clubes que gastam acima dos 200 milhões. A média de salários aumentou 7,8% em 2015 e não há clubes que consigam competir com os vencimentos pagos por estes nove emblemas, sobretudo pela política da UEFA de não permitir que os clubes paguem mais do que dois terços das suas receitas em salários.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG