"Porque é que o computador de Jesus incomodava o Benfica?"

Diretor de comunicação respondeu ao presidente do clube da Luz, Luís Filipe Vieira, e deixou uma pergunta no ar muito enigmática. Também criticou o deputado centrista Telmo Correia

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, mantém que "o melhor está ainda para vir" no que toca a revelações dos alegados e-mails do Benfica a que os portistas tiveram acesso.

O dirigente começou por tecer uma acusação a Luís Filipe Vieira que nesta quinta-feira garantiu que "todas as acusações são falsas e infundadas". Para Francisco J. Marques, o líder do tetracampeeão limitou-se a fazer "uma fuga para a frente".

Em seguida deixou uma pergunta no ar que insinua uma alegada monitorização: "Por que razão o computador de Jorge Jesus preocupava tanto os responsáveis do Benfica? Isso é que importava saber. Haveremos de voltar a falar sobre isto. Estou convicto de que o melhor ainda está para vir."

Para o diretor portista há perguntas que o Benfica, na pessoa de Luís Filipe Vieira, devia responder. Ei-las: "Porque é que o Benfica precisa de monitorizar sms's de Fernando Gomes? O presidente do Benfica tinha conhecimento do teor das mensagens trocadas entre Pedro Guerra e Adão Mendes? Para que serve ao Benfica que Nuno Cabral envie informação íntima de árbitros de futebol e elementos ligados à arbitragem?."

A finalizar, Francisco J. Marques deixou uma crítica ao deputado do CDS, Telmo Correia, que no jantar de deputados adeptos do Benfica tinha ironizado sobre o caso dos e-mails. "Estes deputados não são eleitos pelos benfiquistas, são eleitos pelos portugueses. O que o senhor Telmo Correia disse é no mínimo lamentável. É um cartilheiro dos mais fiéis que existem. Assume as dores do Benfica e presta-se a este papel de fazer passar as teses de outros e não as dele próprio", acusou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG