Platini já tinha emprego garantido há 17 anos

Presidente da UEFA já tinha, em 1998, um acordo verbal para ter direito a um emprego na FIFA, revela um documento

O presidente da UEFA, Michel Platini, ouvido hoje no Tribunal Arbitral Desportivo (TAS) no âmbito do seu recurso contra a suspensão temporária do cargo, é apresentado como futuro "empregado da FIFA" numa nota interna de 1998 do organismo europeu.

Segundo a agência AFP, que teve acesso ao documento, a defesa de Platini considera que esta nota interna "é a prova escrita de um contrato verbal" para um trabalho assalariado, que poderá pesar a favor do francês na atual investigação que pode levar à irradiação do francês.

Em 1998, Michel Platini partilhava com Fernand Sartre a presidência da organização do Mundial, que se realizou em França, cargo que assumiu em 1992.

A 08 de outubro deste ano, Platini foi suspenso por 90 dias de toda a atividade ligada ao futebol pelo Comité de Ética da FIFA, que investiga o recebimento de 1,8 milhões de euros em 2011 do presidente demissionário da FIFA, Joseph Blatter, para pagar um trabalho de aconselhamento realizado pelo francês em 2002.

"Platini esteve envolvido na campanha eleitoral de JSB [Joseph Sepp Blatter, que foi eleito pela primeira vez presidente da FIFA em 1998]. Este já anunciou que Platini será o próximo diretor para questões desportivas. Platini passará a ser empregado da FIFA", refere o relatório autenticado pela UEFA.

O Comité de Ética da FIFA prevê ouvir Platini entre 16 e 18 de dezembro.

Além de Michel Platini, o Comité de Ética suspendeu, por implicação no escândalo de corrupção na FIFA, Joseph Blatter e o secretário-geral do organismo mundial, o francês Jérôme Valcke.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG