Alex Honnold. Um nómada devotado à escalada sem cordas

"Tenho a capacidade de me manter focado quando os outros se descontrolam", diz Alex. E isso vê-se quando escala rochas de 500 metros sem proteção. O alpinista norte-americano corre mundo, numa autocaravana, em busca de novas aventuras.

Quando se escreve o nome de Alex Honnold no Google, a primeira sugestão de pesquisa que aparece é Alex Honnold dies. Calma: as notícias da sua morte são manifestamente exageradas. No entanto, o temor é justificado. Aos 29 anos, o alpinista norte-americano é um dos maiores fenómenos mundiais da escalada em rocha, no modo solitário livre: sem corda ou qualquer outro equipamento de segurança, desafia as mais temidas montanhas do mundo.

Alex deixa boquiaberto quem vê os vídeos das suas façanhas - a escalar paredes de granito, sem proteções ou cordas, apenas com sapatilhas de escalada e pó de giz (para facilitar a aderência das mãos). Em janeiro foi o primeiro a escalar, nesses termos, Sendero Luminoso, míticos 500 metros de rocha no parque de Potrero Chico (México). Galgou em três horas o que duplas de alpinistas, com proteção, habitualmente fazem em dois dias.

Na verdade, desde criança que o californiano impressionava quem o via escalar tudo o que lhe aparecia pela frente: mesas, cadeiras, árvores, muros ou edifícios escolares. Por isso, quando desistiu do curso de Engenharia Civil para se dedicar à escalada, a mãe, Dierdre, logo compreendeu que "era do que ele precisava".

Convertido em nómada devotado à escala, Alex Honnold vive há sete anos numa furgoneta convertida em autocaravana, em permanente viagem pela natureza, à procura do próximo desafio.
Do Vale de Yosemite à Columbia Britânica ou da Patagónia a Marrocos, já correu país e mundo para enfrentar as maiores aventuras, sob a forma de rochas de 400, 500 ou 600 metros de altura.

Aos poucos, o californiano tem imitado e superado os feitos de outras lendas da escalada livre. No ano passado, ao lado de David Allfrey, subiu o monólito de granito El Capitán, no parque do Vale de Yosemite (considerado o monte Evereste da escalada em rocha), por sete rotas diferente, em sete dias consecutivos.

Esse recorde rendeu-lhe a admiração de um dos antigos ídolos. "Os outros solitários livres estão sempre em conversação com a morte. Alex é mais do género "isso não interessa, eu não vou cair". É isso que o faz ser tão bom", disse Tommy Caldwell (o homem que em janeiro, junto com Kevin Jorgeson,
escalou El Capitán pela via mais difícil - a Down Wall - e sem ajudas).

Com tanta façanha, Alex ficou famoso: protagonizou anúncios publicitários e começou a ser assediado
para dar autógrafos nos seios de raparigas ("quer dizer, só aconteceu duas vezes", disse ao New York Times). Mas perdeu outros apoios, devido ao estilo arrojado. Nada que o trave: "Tenho um dom, a capacidade de me manter focado quando os outros se descontrolam. Com ou sem patrocínios, as montanhas chamam e eu vou continuar."

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.