De McFall a Augusto Mata: os técnicos que resistem ao tempo

McFall deixou o Portadown após quase 30 anos no clube. Em Portugal, em São Mamede de Infesta, morou um caso raro

Estamos em 1986. Portugal elegia Mário Soares como presidente e aderiu à União Europeia. No mundo do futebol, José Mourinho jogava no Comércio e Indústria, Jorge Jesus lutava pela titularidade no Estrela da Amadora e Cristiano Ronaldo ainda gatinhava. O Sporting venceu o Benfica por 7-1, mas eram as águias a sagrar-se campeãs. O FC Porto iniciava a caminhada para o seu primeiro título europeu. E Ronnie McFall começou a treinar o Portadown, clube que orientou até este mês.

Após quase 30 anos no comando da equipa norte-irlandesa, Ronnie McFall, aos 70 anos, decidiu deixar o cargo. Com a sua saída, termina o maior período de longevidade de um treinador à frente de uma equipa europeia. O técnico norte-irlandês começou a treinar o Portadown seis semanas após Alex Ferguson ter assumido o comando do Manchester United. Por outras palavras, seis semanas após Sir Alex terminar a carreira McFall passou a ser o treinador há mais tempo na mesma equipa.

McFall, que enquanto futebolista representou o Dundee United, começou por treinar o Glentoran, em 1979, durante quatro temporadas. Depois rumou ao Portadown, onde se tornou um símbolo do clube, fruto da conquista de quatro campeonatos, com destaque para os primeiros do clube na década de 1990. Um feito assinalável para um clube assumidamente regional, num país em que os "grandes" de Belfast, nomeadamente o Linfield FC e o Glentoran FC, dominam. Além disso, McFall ganhou mais de duas dezenas de troféus para o clube, além de ter sido considerado, por cinco vezes, o melhor treinador do país. Na sua carreira, ficou apenas o sabor amargo de nunca ter ganho um jogo nas competições europeias.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG