O supercombate que promete romper todos os recordes

Pugilista Floyd Mayweather e lutador de artes marciais mistas (MMA) Conor McGregor vão medir forças a 26 de agosto, em Las Vegas. Receita deverá superar os 555 milhões de euros

Está marcado aquele que deverá vir a ser o combate mais lucrativo de sempre. Depois de mais de um ano de especulação, foi finalmente anunciado: o pugilista Floyd Mayweather e o lutador de artes marciais mistas (MMA) Conor McGregor vão medir forças, a 26 de agosto, em Las Vegas, no estado norte-americano do Nevada.
"O combate está marcado", anunciou o irlandês de 28 anos - que tem um recorde de 21 vitórias e três derrotas nos octógonos - através das redes sociais, ilustrando provocatoriamente com uma fotografia sua e outra do... pai de Mayweather, em jeito de ironia sobre a idade do adversário. "É oficial", publicou pouco depois o norte-americano (40 anos), que vai interromper a reforma para voltar aos ringues e tentar chegar ao redondo registo de 50-0 na carreira.
O duelo, que será disputado sob as regras de boxe, vai pôr frente a frente os dois atletas que mais dinheiro geraram nas respetivas modalidades. Por isso, a contenda já é chamada de The Money Fight (a luta do dinheiro), pela volumosa verba que é esperado gerar.
Os representantes de Floyd Mayweather acreditam mesmo que a luta poderá superar os 623,5 milhões de dólares (555 milhões de euros ao câmbio de ontem) que gerou o combate diante do filipino Manny Pacquiao, a 2 de maio de 2015, e que terminou com o triunfo daquele cuja alcunha é... Money.
"Acho que este combate vai superar esse valor, porque não há lugar algum onde o Floyd ou os representantes dele vão que não perguntem sobre a luta. É a luta que os fãs querem ver. Acho que é maior do que o duelo frente ao Pacquiao. Estou com o Floyd há 21 anos e estivemos em muitos grandes eventos, mas há um sentimento diferente aqui. E não só pelo facto de o McGregor não ser pugilista. É um evento mainstream, porque os fãs de todo o mundo o querem ver", confessou o CEO da Mayweather Promotions, Leonardo Ellerbe.
Logo após o anúncio, começaram as movimentações nas casas de apostas. Seja em qual for, o retorno dos apostadores numa vitória de Mayweather será sempre bem mais modesto do que aqueles que forem bem-sucedidos ao investir num triunfo de McGregor, o que comprova que o norte-americano é o claro favorito.
Dana White, o dono da promotora que emprega McGregor, a Ultimate Fighting Championship (UFC), não receia uma derrota que manche a imagem da empresa e até está crente na vitória do irlandês. "Os dois querem o combate e os fãs também. O Conor é um lutador de artes marciais mistas e vai lutar contra um dos melhores pugilistas de sempre. Não creio que a luta possa manchar a imagem da UFC ou do Conor. Falei com ele e ele está 100% confiante na vitória", afirmou o presidente da organização, corroborado por Leonardo Ellerbe, que também não crê que sejam favas contadas para o seu cliente: "Mayweather não vai vacilar. Seríamos imbecis se achássemos que McGregor não o pudesse vencer."


Billion dollars fight?
Quanto dinheiro vai gerar o duelo entre Mayweather e McGregor? Essa foi uma das principais discussões da imprensa internacional durante o dia de ontem.
Dana White acredita que "provavelmente será o dia mais bem pago" da história dos desportos de combate, superando os tais 555 milhões de euros do duelo Pacquiao-Mayweather, mas já se especula que esta seja a primeira luta de sempre a gerar mil milhões de dólares (890 milhões de euros) - o apetecível billion dollars na escala numérica curta dos EUA.
Afinal, o combate vai captar a atenção dos aficionados por boxe, MMA e também dos que nunca se interessaram por qualquer das modalidades. "Vamos tocar numa audiência que nem sequer segue uma das modalidades. De repente, as pessoas que nunca se interessaram por boxe ou MMA vão interessar-se devido à natureza da competição", vaticinou Stephen Espinoza, vice--presidente da estação televisiva que vai transmitir a contenda, a Showtime Sports.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG