"O Benfica tem dominado o futebol português e acredito que vai ganhar"

O avançado brasileiro Lima marcou dois golos na última vitória dos encarnados no Dragão. Acredita que a sua antiga equipa tem valor para trazer os três pontos do clássico de hoje e elogia os antigos companheiros

Já é normal falar com o Lima quando o Benfica joga com o FC Porto...

Pois, penso que tentam falar sempre comigo antes de um jogo desses, pelo menos vejo muitas chamadas no telemóvel de Portugal nestas semanas. Felizmente é por boas razões, sinal de que não fiquei esquecido. Consegui marcar alguns golos ao FC Porto, mas tenho a certeza de que outros vão fazer o mesmo.

O seu antigo colega Jonas ainda não pode jogar.

Pois, já sei. É uma enorme baixa, é um jogador muito bom e que estava a fazer grandes coisas no Benfica, mas a verdade é que a equipa tem feito quase tudo bem mesmo sem ele. Até nem é normal um jogador ser assim tão decisivo e a equipa conseguir responder mesmo sem ele durante tantos meses, mas isso prova o bom trabalho que está a ser feito. O Benfica tem uma vantagem boa no campeonato, na Liga dos Campeões também estão na luta, o plantel é muito bom, têm jogadores para substituir qualquer um.

Disse recentemente que apostava num golo do seu amigo Luisão no clássico. Alguma razão especial para torcer por isso?

Ele é uma figurona do Benfica e passou um tempo complicado devido a uma lesão. Gostava muito que ele marcasse, pois merece tudo de bom. Também queria que o Jardel fizesse outro, mas está lesionado e não pode jogar. Assim aposto no Luisão, mas o Benfica tem outros grandes jogadores que também podem fazer a diferença, como o Mitroglou, outro grande goleador, ou mesmo o Salvio e o menino [Gonçalo] Guedes.

Por falar em jovens, quando estava no Benfica, recorda-se de ouvir ou ver jogar Renato Sanches, que saiu para o Bayern Munique no final da temporada passada?

Ouvia falar muito sobre alguns miúdos que estavam nas camadas jovens e outros vinham mesmo treinar connosco. Mas fiquei fascinado com as qualidades do Renato quando o vi jogar na temporada passada, é mesmo fora de série. Foi por isso que o Bayern pagou tantos milhões para o contratar. Aliás, Portugal tem muitos jovens talentos hoje que estão a destacar-se, como o André Gomes, o Bernardo Silva, esse menino André Silva. É muito bom para Portugal. Também foi por isso que foram campeões europeus, estão a fazer um grande trabalho.

Voltando ao jogo de hoje com o FC Porto, quem acha que é favorito neste clássico?

Nestas partidas é sempre muito complicado dizer quem é o favorito, são jogos que deixam aquele frio na barriga e que todos querem jogar. Às vezes até ganha quem está pior! O Benfica tem dominado o futebol português nos últimos anos e acredito que vai ganhar. Mas volto a dizer: neste tipo de jogos não se pode apontar este ou aquele favorito. Apesar de o FC Porto jogar em casa, o Benfica está muito bem, e prova disso é ser líder isolado no campeonato nesta altura.

Considera que o FC Porto é neste momento o adversário mais complicado para o Benfica no campeonato, depois dos últimos desaires do Sporting?

Não vi os jogos todos, mas o FC Porto está em segundo e tem tido alguma regularidade. Tem um treinador novo e pelo que entendo uma equipa jovem, em crescimento. Mas não se pode esquecer o Sporting, apesar do atraso. Vi jogos deles na Liga dos Campeões e têm uma equipa muito forte. Tiveram alguns resultados inesperados no campeonato, é verdade, mas de um momento para o outro tudo pode mudar. É isso que o Benfica tem de ter em atenção, e lembro--me de que nos meus tempos na Luz era isso que nos faziam ver, que não podíamos dar um passo em falso, que logo logo Sporting e FC Porto estavam ali a espreitar. O Benfica tem de se preocupar apenas com os seus jogos e ser sempre regular. Acredito que se assim o fizer consegue o tetra.

E o Lima, já sente saudades deste tipo de jogos?

Claro, são clássicos que todos querem jogar, o campeonato no Dubai também tem alguns jogos semelhantes, como também na Liga dos Campeões da Ásia, mas a competitividade é diferente e por vezes dou por mim a recordar-me dessas partidas e de jogos na Liga dos Campeões. Mas a vida é feita de decisões e eu decidi assim.

Não está arrependido?

Claro que não, como disse foi uma decisão que tomei. Sabia o que me esperava porque falei com muitos amigos e companheiros, mas não estou arrependido. Felizmente a nível pessoal está tudo a correr bem, tenho marcado golos, apesar de o nível ser diferente.

O aspeto financeiro foi também determinante para a decisão de rumar a uma liga deste nível...

Sim, nunca escondi isso. Foi bom para mim, mas também para o Benfica. A minha família também está a gostar, por isso a decisão acabou por ser boa para todos. O país é fantástico, não falta cá nada, todos nos apoiam no clube, estão a tentar fazer da liga uma das melhores do mundo, apesar de o caminho ainda ser longo.

Aconselharia, portanto, este campeonato a antigos colegas do Benfica?

Claro que sim e tenho a certeza de que eles iam gostar. Tenho consciência de que os mais novos ainda querem jogar na Europa, mas os mais velhos poderiam ter um grande futuro aqui. Sinceramente a liga surpreendeu-me pela positiva, estava à espera de um nível mais baixo. Estão aqui alguns jogadores experientes da Europa, mas o que me surpreendeu ainda mais foram alguns jogadores asiáticos, têm um nível muito alto.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?