Nova Iorque rendeu-se ao UFC para ver McGregor entrar para a história

Estrela irlandesa é a principal atração desta noite e vai tentar algo inédito: alcançar dois títulos mundiais em duas divisões diferentes

Igual a si próprio, Conor McGregor chega 20 minutos atrasado à conferência de imprensa de lançamento do combate que irá opô-lo a Eddie Alvarez e aproveita a ausência do seu adversário para se apoderar do cinturão que estará em disputa nesta noite. Apercebendo-se da situação, Alvarez regressa para lhe exigir satisfações e, não fosse a intervenção do presidente do UFC, o combate poderia ter começado mais cedo do que o previsto. Faz tudo parte do aparato da superestrela do MMA, cuja personagem de culto se alimenta de fanfarronice e confiança. Afinal, o duelo mais aguardado da sua carreira está aí à porta e há que saber rentabilizá-lo.

O irlandês é a principal atração do UFC 205, evento que promete bater recordes de bilheteira e de audiências. McGregor pode tornar-se o primeiro lutador da história a ser simultaneamente detentor do título mundial em duas divisões diferentes. Depois de ter resgatado o trono na categoria de pesos-pluma, The Notorious - como é conhecido - tentará retirar definitivamente o cinturão de pesos ligeiros das mãos de Alvarez para ficar imortalizado como uma lenda deste desporto.

Mas o que está a gerar maior impacto é mesmo o palco deste combate. É a primeira vez que o histórico Madison Square Garden, em Nova Iorque, recebe um evento de MMA. A modalidade esteve banida neste estado norte-americano durante quase duas décadas. Só há um par de meses terminou uma proibição sem paralelo nos outros 49 estados, que vigorava desde fevereiro de 1997 e tinha por base alguns lóbis políticos.

O entusiasmo é impressionante, sobretudo para os fãs situados na Costa Leste dos Estados Unidos, que desta vez não têm de atravessar todo o país para assistir ao vivo ao evento, habitualmente realizado em Las Vegas. São esperadas mais de 20 mil pessoas no pavilhão, apesar dos valores recorde que estão a atingir os preços dos bilhetes. Todas as aparições de McGregor geram bastante agitação no mercado, mas esta, por todas as questões que a rodeiam, promete atingir novos máximos. De acordo com a Ticket City, o preço médio de um bilhete no mercado de revenda ronda os 900 euros. Os ingressos mais caros podem atingir os 17 mil.

Foi sobretudo a pensar no impacto financeiro que o governo nova-iorquino cedeu finalmente ao apelo para legalizar a modalidade no seu território. A atividade económica desencadeada por este desporto está estimada em mais de 125 milhões de euros anuais. Um retorno que poderá ser catalisado pela entrada em cena de Nova Iorque. Nos últimos meses já houve alguns eventos de MMA naquele estado, mas nenhum como o UFC. Este poderá ser o maior de sempre.

Para legalizar a modalidade, porém, houve que fazer cedências. Por exemplo, passou a ser obrigatório para os promotores garantirem um seguro de 50 mil dólares para lesões. No caso de lesões cerebrais graves, o prémio é de um milhão de dólares. Valores pouco problemáticos para os organizadores do evento de hoje, mas dificilmente comportáveis para promotores mais modestos. Isto pode afetar a indústria, até porque as novas norma são válidas para todos os desportos de combate.

Ameaças do ícone McGregor

Quando os nova-iorquinos começaram a preparar este evento, havia muitos lutadores em carteira para fazer desta noite algo histórico. De Georges St-Pierre a Jon Jones, passando por Ronda Rousey, recentemente submetida a nova operação ao joelho, várias estrelas ficaram indisponíveis. Por isso, o sucesso deste evento acabou mesmo por recair sobre os ombros do principal ícone da modalidade: Conor McGregor.

À partida, a bizarria do irlandês deve ser suficiente para saciar os adeptos do UFC. Todos querem saber se McGregor conseguirá obter o título mundial no escalão acima daquele em que habitualmente compete. "Estou financeiramente seguro para o resto da minha vida. Podia ter abandonado há dois combates. Mas estou motivado pelo ouro, pela sua história. Disse que ia dominar duas divisões e ganhar o título nas duas. Se o disse, vou fazê-lo", afiança.

Em nove combates, McGregor ganhou oito. Seis deles por KO. Confiança não lhe falta, embora Alvarez seja um oponente de respeito. "O meu punho é maior do que a cabeça dele e quando o atingir ela vai explodir", prometeu, em resposta às provocações do norte-americano. "Vou ganhar-lhe. Ele vai levantar-se e dar-me o título e o respeito que mereço", prosseguiu McGregor, prevendo uma vitória por KO logo no primeiro round do combate desta noite no Madison Square Garden. Agora só tem de prová-lo dentro do octógono.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG