Nadal, Barty e Osaka estreiam-se com vitórias em Melbourne

Na segunda ronda do Grand Slam, Rafael Nada terá como adversário o alemão Yannick Hanfmann, sendo que o suíço Roger Federer está lesionado e o sérvio Novak Djokovic foi deportado da Austrália.

O espanhol Rafael Nadal, o número um mundial, a australiana Ashleigh Barty, e a japonesa Naomi Osaka, a defender o título, estrearam-se com vitórias no Open da Austrália, primeiro 'major' da temporada, que arrancou esta segunda-feira em Melbourne Park.

O antigo líder do 'ranking' mundial de ténis e atual número cinco está a regressar à competição, após ter encerrado a última época precocemente em agosto, para debelar uma lesão no pé direito, e fê-lo com um triunfo ante o norte-americano Marcos Giron, 66.º colocado na hierarquia ATP, em três 'sets', por 6-1, 6-4 e 6-2.

Depois de ter conquistado o seu 89.º título há uma semana no torneio de Melbourne, o esquerdino de Manacor, campeão do 'Happy Slam' em 2009, perdeu apenas oito pontos no seu primeiro serviço, anotou 34 'winners' e salvou os dois 'break points' que enfrentou na Rod Laver Arena para assegurar a qualificação para a fase seguinte da prova.

"Têm sido meses desafiantes... momentos difíceis e com muitas dúvidas. Ainda existem muitas dúvidas. Mas cá estou eu e não poderia estar mais feliz por estar de volta à Austrália e a este estádio fantástico", comentou Nadal, de 35 anos.

O tenista espanhol garantiu esta segunda-feira não estar obcecado com o recorde de títulos nos torneios do Grand Slam.

"Eu simplesmente vivo o dia a dia. Não vivo com essa angústia de querer ser quem tem mais Grand Slams. Ao fim e ao cabo, os três [Nadal, Roger Federer e Novak Djokovic] superámos as nossas expectativas", referiu.

O espanhol tem 20 títulos em 'majors', os mesmos do suíço Roger Federer, lesionado, e do sérvio Novak Djokovic, que foi deportado da Austrália por ter mentido na obtenção do visto e não estar vacinado contra a covid-19.

Sobre a situação de Djokovic, Nadal afirmou no sábado que respeita o rival, mas discorda de "muitas coisas que [o sérvio] fez nas últimas duas semanas".

O jogador espanhol considerou que o sérvio "não foi o único culpado" da 'novela' do seu visto.

"Gosto de ter uma boa relação com os meus rivais e com Novak não é uma exceção. Seja justo ou não, prefiro não falar mais do tema. Estou um pouco cansado de tudo isto, não gosto de ir contra a justiça", referiu esta segunda-feira.

Na segunda ronda, Rafael Nadal, que procura em solo australiano o 21.º título do Grand Slam, descolando assim do suíço Roger Federer e do sérvio Novak Djokovic, terá como adversário na segunda jornada o alemão Yannick Hanfmann (126.º), que bateu na estreia o australiano Thanasi Kokkinakis, por 6-2, 6-3 e 6-2.

Assim como Nadal, o italiano Matteo Berrettini, sétimo cabeça de série, também entrou com o pé direito na Margaret Court Arena, ao derrotar o norte-americano Brandon Nakashima, 68.º classificado do mundo, com os parciais de 4-6, 6-2, 7-6 (7-5) e 6-3, ao cabo de três horas e 10 minutos.

Enquanto o tenista de Roma, de 25 anos, vai defrontar agora Stefan Kozlov (169.º), também dos Estados Unidos e agraciado com um 'wild card' para o quadro principal, o polaco Hubert Hurkacz, esta segunda-feira descido ao 11.º lugar no 'ranking', vai medir forças com o francês Adrian Mannarino.

Tal como Hurkacz, 10.º pré-designado, que bateu o bielorrusso Egor Gerasimov, por 6-2, 7-6 (7-3), 6-7 (5-7) e 6-3, o canadiano Denis Shapovalov, o francês Gael Monfils, o espanhol Pablo Carreño-Busta e o russo Karen Khachanov, todos cabeças de série, também se qualificaram para a segunda ronda, enquanto o britânico Cameron Norrie (12.º) ficou pelo caminho.

Na competição feminina, a número um mundial Ashleigh Barty fez as honras da casa com um triunfo fácil no principal palco de Melbourne Park, a Rod Laver Arena, onde eliminou a 'qualifier' ucraniana Lesia Tsurenko, por 6-0 e 6-1, em apenas 55 minutos.

Detentora de dois títulos do Grand Slam, Roland Garros (2020) e Wimbledon (2021), a jovem australiana, de 25 anos, que ganhou o primeiro troféu da temporada em Adelaide, vai prosseguir a sua caminhada no estado de Victoria diante de outra jogadora vinda da fase de qualificação, a italiana Lucia Bronzetti, 142.ª do 'ranking' WTA, que superou a russa Varvara Gracheva, por 3-6, 6-2 e 6-3.

A japonesa Naomi Osaka, bicampeã do 'major' australiano (2019 e 2021), também não defraudou expectativas e iniciou a defesa do título com uma vitória sobre a jovem colombiana Camila Osório (50.ª), de 20 anos, com duplo 6-3, em uma hora e 18 minutos.

A 14.º classificada na hierarquia mundial, vencedora de quatro 'majors' em piso rápido nos últimos quatro anos, irá ter como próxima adversária a norte-americana Madison Brengle (54.ª), que beneficiou da desistência da ucraniana Dayana Yastremska, quando o marcador registava 6-1, 0-6 e 5-0.

A checa Barbora Krejcikova (4.ª) e a grega Maria Sakkari (8.ª) foram igualmente bem sucedidas na ronda inaugural, ao derrotarem as alemãs Andrea Petkovic, por 6-2 e 6-0, e Tatjana Maria, por 6-4 e 7-6 (7-2), respetivamente, ao passo que a norte-americana Sofia Kenin, 11.ª pré-designada e campeã em Melbourne em 2020, foi eliminada pela compatriota Madison Keys, pelos parciais de 7-6 (7-2) e 7-5.

A adolescente Coco Gauff, de 17 anos, 18.ª cabeça de série, também foi surpreendida na abertura do primeiro torneio do Grand Slam da época pela chinesa Qiang Wang (110.ª), por 6-4 e 6-2, e não vai poder defender a quarta ronda disputada em 2020.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG