Montanha-russa acabou mal para o Arouca

Equipa começou a época em junho, na Europa. Onze meses depois cai à II Liga

A mais longa temporada de todas as equipas que jogaram esta I Liga teve o pior dos desfechos para o Arouca, com uma descida de divisão impensável até há um par de jornadas. A equipa da pequena vila do distrito de Aveiro, que começou os trabalhos desta temporada a 20 de junho passado para preparar a histórica estreia nas competições europeias, viu ontem consumada a descida à II Liga com uma derrota por 4-2 no Estoril, na última jornada, ao mesmo tempo que o Tondela (Sp. Braga) e o Moreirense (FC Porto) operavam os seus "milagres" caseiros.

Presidente e diretor desportivo, mas também pai e filho, Carlos Pinho e Joel Pinho, abraçados no relvado da Amoreira no final do jogo, eram a imagem do trágico destino que se abateu sobre o Arouca neste final de uma temporada vivida como uma montanha-russa.

A euforia com a inédita campanha europeia - que terminou no playoff de acesso à Liga Europa aos pés do Olympiacos - coabitou com um arranque complicado de campeonato, com a equipa a ocupar a lanterna vermelha à oitava jornada. Mas a preocupação seria afastada, depois, com uma uma boa recuperação encetada pela equipa então treinada ainda por Lito Vidigal, que trepou até à primeira metade da tabela e parecia ter assegurado uma época tranquila quando Lito se despediu, após uma derrota na Luz, para ir treinar o Maccabi Tel Aviv, no início de fevereiro. Foi o começo da derrocada do Arouca. Desde então, a equipa só voltou a ganhar um jogo nesta I Liga, frente ao Feirense, na 29.ª jornada. De resto, perdeu dez e empatou dois, numa queda vertiginosa que começou com Manuel Machado - sucedeu a Lito Vidigal e encaixou cinco derrotas consecutivas, ficando ligado às descidas de Arouca e Nacional - e continuou com Jorge Leitão.

"Só dependíamos de nós próprios e não conseguimos. O demérito é todo nosso", lamentou o técnico interino que acabou a época. O Arouca entrava para a última jornada com três pontos de avanço sobre o Tondela e dois sobre o Moreirense, mas perdeu no Estoril por 4-2 (ainda esteve a ganhar com um golo de Goiano logo no primeiro minuto, mas ao intervalo já perdia por 3-2 e jogava com menos um, por expulsão de Hugo Basto) e viu os rivais vencerem Sp. Braga e FC Porto, respetivamente - e foi relegado pela pior diferença de golos face aos tondelenses.

A festa fez-se, naturalmente, em Tondela e em Moreira de Cónegos. "Nos últimos seis jogos fomos a melhor equipa do campeonato. O milagre foi acreditar muito", rejubilou Pepa, técnico do Tondela, após a vitória sobre o Sp. Braga (2-0, golos de Heliardo, aos 41", e Kaka, aos 64").

"Os nossos jogadores demonstraram uma grande atitude e uma grande qualidade no jogo. É o culminar de uma época fantástica para estes jogadores que venceram a Taça da Liga e conseguiram a manutenção", afirmou Petit, após o Moreirense bater o FC Porto (3-1).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...