Maradona foi enterrado sem coração

Adeptos fanáticos planeavam profanar cadáver do astro argentino que morreu em 2020.

Diego Maradona foi "enterrado sem coração" para evitar que o corpo fosse profanado para o roubar e para estudar a razão da morte a 25 de novembro do ano passado, segundo a versão de um médico/jornalista revelada agora em livro.

"Um grupo de adeptos planeava extrair-lhe o coração. Não chegou a acontecer porque era um ato de uma ousadia enorme. Mas soube-se que podia suceder, então o coração foi extraído, também para ser estudado porque o coração é um órgão muito importante para determinar a causa da morte de Maradona. Evidentemente, a informação é que está enterrado sem o coração", revelou o médico e jornalista Nelson Castro durante a promoção do livro A saúde de Diego: a verdadeira história no programa Almorzando con Mirtha Legrand, do canal argentino El Trece.

Nelson Castro revelou ainda algumas características do órgão: "O coração dele pesava meio quilo, quando o normal são 300 gramas. Tinha um coração grande por outras razões, entre elas a insuficiência cardíaca e a patologia que teve."

Depois de aceder a arquivos secretos e documentos inéditos, o médico e jornalista explicou ainda que o astro argentino "tinha um corpo privilegiado no que toca à resistência", que aguentou uma "cardiopatia dilatada" sem recuperação sustentada a pedido de Diego.

No livro, Castro escreve ainda que El Pibe revelou "uma personalidade aditiva desde muito cedo", tendo começado a consumir drogas ainda "no Boca Juniors" e era viciado em sexo: "Tinha uma voracidade sexual impressionante, como se viu quando esteve em Cuba. Estava sempre rodeado por mulheres, o que foi um pesadelo para a Claudia Villafañe [a primeira mulher]."

A dias de completar um ano da morte de Maradona, o Ministério Público ainda investiga o caso, tendo já citado sete pessoas por homicídio simples. O antigo jogador morreu em casa, uma semana, depois de ter sido submetido a uma cirurgia à cabeça. A autópsia revelou que o argentino morreu devido a um edema agudo no pulmão e uma parada cardíaca. O exame também revelou que Maradona tinha um coração dilatado - o dobro do tamanho de um coração normal, além de um quadro de cirrose e necrose num dos rins.

As polémicas que protagonizou em vida sucedem-se após a morte. Onze filhos entre reconhecidos e não reconhecidos, fortuna escondida em cofres, dívidas e até uma acusação de violação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG