Mais um acidente na Volvo Ocean Race. Vestas perde mastro

A mais dura etapa da Volvo Ocean Race, Auckland (Nova Zelândia)-Itajaí (Brasil), continua a provocar danos na frota.

O mastro do Vestas equipa que seguia em terceiro lugar, partiu-se pelas 16.59 (hora de Portugal continental) quando o veleiro navegava no Atlântico a cerca de cem milhas (180 km) a sudeste das Ilhas Falkland. Não houve danos físicos na tripulação, mas para a equipa a etapa acabou. Resta saber como chegará a Itajaí e onde será o mastro substituído. Para já, dirige-se, a motor, para as Falkland.

A notícia foi avançada no site da Volvo Ocean Race pelas 19.04 (hora de Lisboa). O Vestas navegava com ventos de través na ordem dos 30 nós e ondas de três metros, numa luta apertada com a equipa Dongfeng. Faltavam cerca de 1600 milhas para Itajaí, o porto de chegada.

Este é o segundo desaire da equipa Vestas nesta volta ao mundo. Na etapa que ligou Melbourne (Austrália) a Hong Kong, quando já estavam muito perto da linha de chegada, o veleiro literalmente "passou a ferro" uma pequena traineira chinesa, matando um dos seus tripulantes.

Por causa deste acidente, a equipa falhou a etapa seguinte, Hong Kong-Auckland. Os danos no veleiro seriam reparados em Auckland, tendo o barco sido para lá transportado de Hong Kong num cargueiro da marinha mercante. Na classificação geral, a equipa segue em 5º lugar (num total de sete concorrentes).

A etapa Auckland-Itajaí já está marcada pela morte de um velejador. Ainda antes do Cabo Horn, no Pacífico Sul, o britânico John Fisher, de 47 anos, caiu ao mar e a sua equipa, Scallywag, não conseguiu resgatá-lo. Fisher já é oficialmente dado como morto. A sua equipa, que tem entre os seus tripulantes o velejador português António Fontes, desistiu da etapa, dirigindo-se agora para o Chile. Deverá passar do Pacífico para o Atlântico pelo Estreito de Magalhães, evitando portanto os perigosos mares do Cabo Horn (extremo sul da América do Sul).

Também para a equipa Mapfre - líder da classificação geral - houve problemas, no mastro e na vela grande. A equipa foi forçada a parar no Cabo Horn para reparações, durante cerca de 13 horas. Segue agora em último lugar na frota, a 260 milhas do Team Brunel, que lidera a etapa.

Entretanto, o site da VOR anunciou também que o barco de bandeira portuguesa Turn The Tide On Plastic, onde segue velejador luso Frederico Melo, tinha decidido abrandar para avaliar a extensão de danos no seu sistema de "rigging" (os cabos de aço que ligam o mastro ao convés). Também não há danos físicos a registar.

[Atualizada às 20.45 com informação sobre danos no barco da equipa Turn The Tide On Plastic].

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.