Lewis Hamilton vs. Mercedes. Até onde vai este braço-de-ferro?

Britânico deixou equipa furiosa ao tentar atrasar Rosberg em Abu Dhabi. Futuro na Mercedes pode estar em risco

A polémica saltou rapidamente as fronteiras da Fórmula 1 e tem animado as discussões desde que a bandeira de xadrez em Abu Dhabi pôs fim a um dos mais intensos duelos entre colegas de equipa nos últimos anos. "Não percebo as críticas a Lewis Hamilton. Por que razão não haveria ele de tentar tudo para ganhar? Tentar ganhar é a essência do desporto", escreveu, por exemplo, o antigo futebolista inglês Gary Lineker no Twitter.

O certo é que esse espírito competitivo que Hamilton exibiu mesmo até ao último segundo no duelo com o seu colega da Mercedes Nico Rosberg - fazendo orelhas moucas às ordens da equipa e travando o ritmo da corrida para que o alemão, atrás de si, fosse apanhado pelos Ferrari e pelos Red Bull - deitou ainda mais sal nas feridas já abertas na relação entre o inglês e os responsáveis da escuderia, deixando na corda bamba o futuro do tricampeão mundial na Mercedes.

Segundo a imprensa britânica, Hamilton arrisca até o despedimento, ou, numa versão mais suave, uma suspensão, num cenário punitivo alimentado pelo discurso do diretor da equipa, Toto Wolff. "É simples: anarquia não funciona em nenhuma equipa e isto abre um precedente", disse o responsável alemão, deixando em aberto ações futuras. "Está tudo em aberto", referiu, podendo a equipa optar por "endurecer a ação para quem não respeitar os valores da equipa" ou, pelo contrário, "dar mais liberdade aos dois pilotos no próximo ano".

Com um contrato milionário de cerca de 35 milhões de euros por ano até 2018, Lewis Hamilton deixou ontem nas redes sociais um agradecimento aos fãs e... à equipa, "pelo apoio incansável ao longo do ano" e prometeu "voltar mais forte" em 2017, depois do título perdido para Rosberg. Mas a especulação sobre a vontade do inglês em permanecer na Mercedes também subiu fortemente de tom, com Ferrari e McLaren apontadas como possíveis destinos, depois de uma época em que Hamilton criticou abertamente a sua equipa várias vezes.

Entretanto, as opiniões sobre a tática de Hamilton na corrida de Abu Dhabi vão-se dividindo. Se o alemão Sebastian Vettel (Ferrari) acha que ele "usou alguns truques sujos", já o diretor da Red Bull, Christian Horner, considera que "não se poderia esperar nada diferente". "Estavam a competir por um campeonato do mundo."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG