Juan Carlos campeão mundial de vela aos 79 anos

Monarca espanhol juntou mais um título ao seu currículo. Paixão pela vela começou em Portugal quando tinha apenas 11 anos

O Bribón Movistar, liderado pelo rei emérito Juan Carlos I, sagrou-se ontem campeão mundial de vela na divisão de clássicos Classe 6 metros, ao manter a liderança da competição na prova que se realizou em Vancouver, no Canadá, superando o Goose do norte-americano Peter Hofmann e o Saskia do brasileiro Lars Grael.

Aos 79 anos, Juan Carlos conquistou assim o seu primeiro título mundial, ele que é um autêntico apaixonado pela vela e que chegou a participar em algumas edições de Jogos Olímpicos, tendo ganho vários títulos em competições realizadas em solo espanhol.

A paixão pela vela, aliás, foi passada também aos filhos Felipe e Cristina. Felipe chegou a ser campeão espanhol na classe Soling em 1989 e 1990, tendo ainda conquistado um quinto lugar no Mundial da mesma categoria. Tal como o pai, também marcou presença nos Jogos Olímpicos, mais concretamente nas Olimpíadas de Barcelona, em 1992, onde foi o porta-estandarte de Espanha e terminou a sua participação com um diploma graças ao sexto lugar alcançado.

"Não é estranho que a nossa família tenha escolhido a vela como desporto de competição. O rei [Felipe], a infanta Cristina e eu próprio tivemos a honra de participar em diversas edições de Jogos Olímpicos [Munique 72, Seul 88 e Barcelona 92] como integrantes da equipa espanhola de vela competindo em diversas classes de barcos. Também entre nós a vela serviu sempre para manter e alimentar um saudável espírito competitivo familiar", confessou Juan Carlos no livro O Rei e o Mar, da autoria do jornalista Ignacio Gómez-Zarzuela, lançado em 2012.

O gosto pela vela vem desde a infância e dos tempos em que viveu no Estoril com os pais, os condes de Barcelona. No mesmo livro é assinalado que, com apenas 11 anos, fez a sua primeira prova e venceu uma regata que ligou Lisboa a Sesimbra. Desde aí a paixão pela vela nunca mais parou de crescer.

Em 2011, devido ao seu estado de saúde, Juan Carlos afastou-se um pouco da modalidade, mas mesmo assim continuou a competir em provas menos exigentes fisicamente.

Entre as muitas histórias contadas nas aventuras de Juan Carlos no mar, uma ficou célebre, contada por um tripulante da sua equipa numa recente entrevista à agência EFE: "Durante uma regata em que apanhámos vento muito forte, Don Juan Carlos sofreu um pequeno acidente numa mão e começou a sangrar. Toda a tripulação ficou paralisada, as manobras foram interrompidas e os outros barcos ultrapassaram-nos rapidamente. Estávamos preocupados. De repente, o rei começou aos berros a dizer: "O que se passa? Estão à espera de ver sangue azul a sair da minha mão? Voltem para os vossos postos e vamos embora."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...